jusbrasil.com.br
20 de Novembro de 2018

Operação Fake News: oficiais fazem busca e apreensão de computadores na casa de servidor público de Coité

Wagner Francesco ⚖, Advogado
Publicado por Wagner Francesco ⚖
há 9 meses


Através de uma determinação expedida pela justiça de Conceição do Coité, policiais, advogados e oficiais de justiça fizeram cumprir na manhã desta quinta-feira (1) dois mandados de busca e apreensão. O objetivo da operação foi apreender computadores suspeitos de serem utilizados como fonte de disseminação nas redes sociais de informações inverídicas, conhecida popularmente como Fake News, e agressões contra políticos locais.

O processo foi de autoria do deputado Alex da Piatã (PSD), um dos principais alvos das publicações, por intermédio do seu advogado Pedro Cedraz, que acompanhou todo o processo de busca e apreensão na casa do servidor público da prefeitura de C. do Coité, ex chefe do setor de Recursos Humanos, Jackson Ferreira, que confessou ser o autor das publicações.


De acordo com Cedraz, Jackson, em nenhum momento, se opôs ao entregar o material, estava tranquilo e, inclusive, se deixou filmar fazendo a confissão de ter feito as publicações no perfil falso do Facebook chamado de João Carneiro.

“Isso começou em 2012, quando o perfil foi criado, e por muito tempo compartilhava críticas a políticos, mas a forma como era feito se caracterizava de maneira errada. O perfil João Carneiro insinuou de que o parlamentar estadual havia pedido dinheiro para comprar votos, pois queria ‘mamar’. Foi por esse motivo que ingressamos com o processo”, explicou.

O procedimento foi feito da seguinte forma: o Facebook foi processado e obrigado a fornecer os dados do servidor de internet pelo qual a publicação foi feita. Uma vez identificado o servidor, este também foi processado e obrigado a fornecer os endereços de IP, mais precisamente dos computadores que foram utilizados para as publicações serem feitas, e foi a partir daí que o juiz de Coité deferiu a busca e apreensão para localizar as máquinas e assim se chegar ao suspeito.

Os policiais militares participaram com o intuito de proteger, principalmente, os oficiais responsáveis pela busca e apreensão. “Não sabíamos o que iríamos encontrar. Os policiais foram chamados pelos oficiais”, afirmou o advogado que também contou com o auxílio do bacharel em Direito Wagner Francesco na operação.

Ainda não há processo criminal e cível em andamento. “É importante destacar que a lei deve ser cumprida. Não adianta as pessoas se esconderem em perfis falsos ou nos lugares mais longínquos porque a lei sempre alcança essas pessoas. Não adianta se esconder da lei. Espero que todos tomem essa ação com educativa para entender que a gente pode exercer críticas, normal dentro do Estado democrático, mas dentro de um padrão razoável, lógico, educado e que não seja de maneira criminosa”, finalizou.

O deputado Alex da Piatã (PSD), ao comentar o fato, ressaltou que a justiça tarda, mas não falha. “Quero destacar que isso, em hipótese alguma, é uma censura. Todos têm direito de criticar e apontar desde que seja verdade e seja feito de uma forma ética e educada. Não fui pedir dinheiro a ninguém para comprar votos e quero que se prova isso. Foi uma calúnia e uma difamação contra a minha honra não só como político, mas como pai, chefe de família, empresário. O mais importante é o cumprimento da lei, apesar de desde 2012 eu, o prefeito Assis e até minha esposa Val sermos alvos deste perfil, mas a justiça está sendo feita”, declarou.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)