jusbrasil.com.br
21 de Janeiro de 2022

Para cada policial morto no Rio em 2015, 25 pessoas morreram em ações policiais

Wagner Francesco ⚖, Advogado
Publicado por Wagner Francesco ⚖
há 6 anos

Para cada policial morto no Rio em 2015 25 pessoas morreram em aes policiais

Para cada policial assassinado no Rio de Janeiro em 2015, outras 25 pessoas morreram em decorrência de intervenções policiais. A informação está em um levantamento realizado com base em dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) e divulgados pela organização Human Rights Watch. No ano passado, 645 pessoas foram mortas em ações envolvendo as polícias Civil e Militar. No mesmo período, 23 policiais militares e três policiais civis foram mortos em serviço.

A Human Rights Watch lançou nesta quinta-feira (7) o relatório "O Bom Policial Tem Medo: Os Custos da Violência Policial no Rio de Janeiro". No texto, a entidade diz que os números endossam "o entendimento das autoridades de que execuções extrajudiciais são bastante comuns" no Estado.

"O número de mortos por ação policial é muito maior do que o número de baixas na polícia, fazendo com que seja difícil acreditar que todas estas mortes ocorreram em situações em que a polícia estava sendo atacada", diz o relatório.

Fonte: UOL

74 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Antes de mais nada não devemos generalizar as ações da policia, temos sim que analisar cada caso paulatinamente para identificarmos as causas antes de tecermos comentários contra toda instituição policial. E fácil apontar erros , o dificil e ir para linha de frente lutar contra grupos armados que estão preparados para uma guerra, afinal já estamos nela e o estado tem que intervi sim para manter a tão sonhada paz social. continuar lendo

Muito bem colocado, Humberto Seelig... continuar lendo

E agora peguemos um número como esse, que não faz sentido sem contexto - isto é, sem analisar quem eram os mortos pela polícia, se já tinham ou não praticado crimes violentos, a fim de inferir a probabilidade da situação em que se deu a morte; sem analisar quantos policiais existem e quantas pessoas não policiais existem - e coloque-o na boca de um professor em uma sala de aula, onde não haverá discussão. É por isso que os militantes são tão contra o movimento escolas sem partido.
A propósito:
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/fernando-schuler/noticia/2016/07/historia-e-sociologia-na-nova-base-curricular-ideologia-e-confusao.html
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/fernando-schuler/noticia/2016/02/e-tudo-livro-manco-e-adivinha-para-qual-lado.html continuar lendo

Tenho amigos Policiais Militares que são exemplo de pessoa e de profissional, porém, conheço também, Guardas Municipais que já tatuam no corpo o simbolo do BOPE e saí dando paulada em mendigo e skatistas na rua.
De acordo com a sua colocação "Estamos em uma guerra" "O Estado tem que intervi para manter a tão sonhada paz social".
Você tem razão, em partes.
Acredito estarmos em guerra sim, pois hoje os Militares são preparados especialmente para ela, e não para POLICIAR;
PS: Vale a pena você ler (Como são criado os monstros) escrito por um PM.
Mas a questão que o Estado tem que intervir para manter a, pasmem. O mesmo Estado que promete te dar educação e lazer, quando não da, te pune? continuar lendo

Os militantes de esquerda queriam o quê? Que morresse um policial para cada suspeito? Africa do Sul é 11 para 1, EUA é 9 para 1, mas será que a violência é igual?

Será que eles contabilizam também quantos inocentes foram vitimas de cada bandido morto? continuar lendo

Tendeciosa, injusta, covarde e extremamente desumana a tal "conclusão" dos números para com os policiais.

Esses tipinhos que atacam a polícia são jornalistas e ong's no estilo Maria do Ossário:"champinha é ser humano, corrompido pela sociedade capitalista, burguesa e machista".
Pegam apenas e tão somente UM lado da história.

Faz assim: quando um bandido, estuprador estilo champinha te atacar, chamem o Batman! Simples...que tal?! continuar lendo

Sabe como é a desonestidade intelectual... quando não possuem argumentos utilizam números e propagandas, ambos bem maquiados para manipular a realidade. A verdade é que deve ser levado em conta a proporção de policiais por habitante, deve ser analisado o contexto das mortes... existem diversas variantes.
PS.: Dou minha cara a tapa e rasgo minha OAB se o autor não for militante do Partido dos Traidores. Esta manipulação é típica da esquerda, não significa que não possa ser utilizada pela direita, porém a esquerda tem utilizado de tal artifício desde seu berço. continuar lendo

João Neves, justamente; quando necessário e já que o (s) defensores da outra "banda" não confiam na polícia, chamem o Batmam... continuar lendo

Concordo plenamente! E digo mais, por causa de matérias como essa é que acontece o que aconteceu em Goiás, onde um PM foi morto pela própria arma quando tentava realizar o seu trabalho.
Lamentável!!! continuar lendo

Quero saber é quantos desses mortos pela polícia eram bandidos, quantos dos bandidos mortos estavam armados e o que estavam fazendo. Pouco importa essa conversinha fiada de exagero da acão policial. E a vida de 1 policial vale muito mais do que de 25 bandidos, vale a vida de 100 bandidos pelo menos.
Nos infernos onde a polícia se arrisca enfrentando demônios furiosos, a maioria daqueles que a critica não passa nem perto. E, a propósito, acha a polícia perigosa, ruim, violenta etc? Chame um padre, os direitos humanos, a Ma. do Rosário etc quando for vítima de bandidos! continuar lendo

Dóris Cavalcanti, com o devido respeito, digo-lhe como diz o nordestino: Tu és uma mulher "porreta", e demonstra que vive com os "pés no chão" e acompanha o dia a dia, do nosso "conturbado" e inseguro país... continuar lendo

"O número de mortos por ação policial é muito maior do que o número de baixas na polícia, fazendo com que seja difícil acreditar que todas estas mortes ocorreram em situações em que a polícia estava sendo atacada", diz o relatório.
Que referência mais ESDRÚXULA. Lendo as informações contidas no texto o entendimento é: Para embasar a morte, o policial deve sair ao mínimo ferido, ou seja, deve esperar ser atingido para só depois atirar. OK POLICIAL, Espere ser atingido com um tiro de FUZIL para ver se conseguem reagir. O MUNDO DE FLORES EXISTE continuar lendo

Mais um concelho ao policial: Não mate, nem fira um bandido. Ou melhor, nem atire na direção dele, pois você pode ser preso e depois expulso da corporação. continuar lendo