jusbrasil.com.br
24 de Março de 2017

Documentos dizem que Roberto Marinho (Rede Globo) foi principal articulador da Ditadura Militar

Wagner Francesco ⚖, Estudante de Direito
Publicado por Wagner Francesco ⚖
há 2 anos

Em telegrama ao Departamento de Estado norte-americano, embaixador Lincoln Gordon relata interlocução do dono da Globo com cérebros do golpe em decisões sobre sucessão e endurecimento do regime

Documentos dizem que Roberto Marinho Rede Globo foi principal articulador da Ditadura Militar

No dia 14 de agosto do 1965, ano seguinte ao golpe, o então embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Lincoln Gordon, enviou a seus superiores um telegrama então classificado como altamente confidencial – agora já aberto a consulta pública. A correspondência narra encontro mantido na embaixada entre Gordon e Roberto Marinho, o então dono das Organizações Globo. A conversa era sobre a sucessão golpista.

Segundo relato do embaixador, Marinho estava “trabalhando silenciosamente” junto a um grupo composto, entre outras lideranças, pelo general Ernesto Geisel, chefe da Casa Militar; o general Golbery do Couto e Silva, chefe do Serviço Nacional de Informação (SNI); Luis Vianna, chefe da Casa Civil, pela prorrogação ou renovação do mandato do ditador Castelo Branco.

No início de julho de 1965, a pedido do grupo, Roberto Marinho teve um encontro com Castelo para persuadi-lo a prorrogar ou renovar o mandato. O general mostrou-se resistente à ideia, de acordo com Gordon.

No encontro, o dono da Globo também sondou a disposição de trazer o então embaixador em Washington, Juracy Magalhães, para ser ministro da Justiça. Castelo, aceitou a indicação, que acabou acontecendo depois das eleições para governador em outubro. O objetivo era ter Magalhães por perto como alternativa a suceder o ditador, e para endurecer o regime, já que o ministro Milton Campos era considerado dócil demais para a pasta, como descreve o telegrama. De fato, Magalhães foi para a Justiça, apertou a censura aos meios de comunicação e pediu a cabeça de jornalistas de esquerda aos donos de jornais.

No dia 31 de julho do mesmo ano houve um novo encontro. Roberto Marinho explica que, se Castelo Branco restaurasse eleições diretas para sua sucessão, os políticos com mais chances seriam os da oposição. E novamente age para persuadir o general-presidente a prorrogar seu mandato ou reeleger-se sem o risco do voto direto. Marinho disse ter saído satisfeito do encontro, pois o ditador foi mais receptivo. Na conversa, o dono da Globo também disse que o grupo que frequentava defendia um emenda constitucional para permitir a reeleição de Castelo com voto indireto, já que a composição do Congresso não oferecia riscos. Debateu também as pretensões do general Costa e Silva à sucessão.

Lincoln Gordon escreveu ainda ao Departamento de Estado de seu país que o sigilo da fonte era essencial, ou seja, era para manter segredo sobre o interlocutor tanto do embaixador quanto do general: Roberto Marinho.

Documentos dizem que Roberto Marinho Rede Globo foi principal articulador da Ditadura Militar

Documentos dizem que Roberto Marinho Rede Globo foi principal articulador da Ditadura Militar

O histórico de apoio das Organizações Globo à ditadura não dá margens para surpresas. A diferença, agora, é confirmação documental.

Fonte: MPortal

Wagner Francesco ⚖, Estudante de Direito
Theologian and Human Rights Activist
Teólogo e Acadêmico de Direito. Pesquiso nas áreas do Direito Penal e Processo Penal.
Disponível em: http://wagnerfrancesco.jusbrasil.com.br/noticias/167727889/documentos-dizem-que-roberto-marinho-rede-globo-foi-principal-articulador-da-ditadura-militar

280 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Parabéns pela descoberta e pelo texto, Wagner. Esse sujeito era perigosíssimo e foi isso que criou a hegemonia e o poder que a Globo tem hoje, lamentavelmente. Já passou da hora de se democratizar a mídia, exigência constitucional, inclusive. Defender a ditadura é o mesmo que defender o câncer. Abraço. continuar lendo

Amigo, o que criou o Hegemonia da Globo foi a veiculação de uma programação "menos pior."
Infelizmente, para quem não tem TV a Cabo, fica claro que por mais que se zapeie os canais, você sempre acaba parando na Globo porque ao menos o programa que lá está passando é "assistível".
Quanto à "Redemocratização", esta já ocorreu.
A TV perde para a Internet, em canais criados por jovens que apresentam conteúdo de qualidade, feita amadoramente, com idéias tanto de Esquerda quanto de Direita.
Qualquer um que crie conteúdo de qualidade terá acesso ao público, sem qualquer investimento de capital relevante. Basta ter qualidade.
Agora, se a Redemocraticação de que vc está falando é aquela em que vamos tomar dinheiro de uns e dar a outros, para obrigar o povo a assistir o que você quer, aí realmente precisamos de regulamentação (Censura né? vamos chamar pelo nome correto). continuar lendo

Venhamos e convenhamos o que o Roberto Marinho fez foi o que todo capitalista a fim de criar um império faz (não estou defendendo socialismo de modo algum, só pra esclarecer).

O jogo do poder é isso: leis são feitas e executadas sempre com terceiras intensões, o Judiciário brincando com a vida dos outros levando anos para julgar casos (todos sabemos que não é só falta de infraestrutura).

É pura sede de poder e dinheiro.

A melhor forma de democratização é sem dúvida a internet, porém esse tal "marco civil" (confesso desconheço em detalhes) deve ter muita brecha e vícios pra espionar, restringir, enfim, ninguém que participa desse jogo de poder quer a verdade ou teorias que levem a ela.

Porém devemos atentar para outro fato: as ditaduras democráticas populistas, que dominam quase todos os países da América do Sul, inclusive o nosso: bastar ver mensalão, petrolão, BNDES, e devolução do todo roubado e prisões que é bom nada ... só as de fachada. continuar lendo

Se existe alguém que soube, como ninguém, dançar conforme a musica neste país, este alguém se chama Roberto Marinho. continuar lendo

Hernandez Rodrigo Neiva Franco,

Se há alguém que consegue estragar a música, corromper os músicos, e roubar a carteira dos que estão dançando, esse alguém se chama PT. continuar lendo

Pedro,

Sua analogia me parece perfeita. Somente o PT para fazer tudo isto ao mesmo tempo e ainda convencer milhões de brasileiros com seu discurso barato, de que ainda é um partido digno de carregar a bandeira da ética. continuar lendo

Boa observação, Bernardo Penna. Concordo com você. continuar lendo

As programações do grupo Globo são "assistíveis" porque ela ao longo do tempo monopolizou a informação e a arrecadação de erário público. Evidente que, com ajuda da ditadura e posteriormente ajuda dos outros governos, não tem concorrência que consiga fazer programação melhor. Precisamos de democratizar o meio de comunicação e acabar com esse monopólio urgente. continuar lendo

Bernardo Penna, você está certo. A democratização da mídia é necessária. O espaço na TV aberta ainda apresenta grande impacto na disseminação de notícias, ainda é a mais acessível e mais prática. Por isso, precisa haver uma regulação para que não se torne, novamente, uma ferramenta golpista.

Em relação a democratização já ter sido feita pela internet, essa uma uma inverdade sem tamanho. Primeiro pelo fato de a abrangência da TV ser imensamente maior que o da internet; segundo que essas mesmas empresas que mantêm o monopólio midiático de uma concessão pública tem poder e dinheiro para dominar grande parte desse espaço virtual.

Uma mídia independente não atinge o mesmo público que o Jornal Nacional, por exemplo. Isso acontece, justamente, pelo fato de a mídia independente não ter capital para aplicar na difusão da informação e, também, pela restrição de público da internet, pois esta exige um mínimo de infra-estrutura para que possa ser usufruída. continuar lendo

Ditadura militar ou intervenção necessária? Sempre me pairou essa dúvida. continuar lendo

Aí depende, Micael. É aquele velho ditado: Democracia é quando eu coloco a mão em você e ditadura é quando você coloca a mão em mim. continuar lendo

"Intervenção" é um eufemismo. continuar lendo

Necessária para que/para quem? Para defender os interesses americanos, como de fato o foi, nada houve para defender os interesses pátrios. Fomos jogados ladeira abaixo com um regime perverso que nos atrasou em séculos. Ambos ocorreram: uma ditadura militar assassina e intervenção necessária (aos interesses americanos que, diga-se de passagem, nunca foram por liberdade e democracia, sempre foram interesses escusos, comerciais). continuar lendo

Intervenção necessária para que e para quem, cara-pálida. continuar lendo

Intervenção daquela monta foi necessária? Se vc acha q sim, por favor, não me conheça.. continuar lendo

Intervenção necessária? Você quer dizer golpe, ditadura para defender o interesse das oligarquias. Dizendo isto me parece que está apoiando o que estão fazendo agora com o caso da LAVA JATO. Queria saber se os grandes grupos de mídia vão mostrar a lista do HSBC? continuar lendo

Depende da classe social. continuar lendo

Intervenção necessária. O interessante que o termo "ditadura" tornou-se enfático após a assunção de Lula; lógico, para muitos se beneficiarem com as bolsas ditaduras e mascarar a sua real intenção como presidente. Também no mesmo período, desenvolveu-se uma cisma contra os americanos. E essas "verdades" são corroboradas pelos perseguidos políticos Dirceu, Genoíno...Observem em quem muitos brasileiros acreditam. Sr. W. F., quando se coloca uma mão na cabeça do bandido e a outra no nosso bolso, é o quê? continuar lendo

Era estudante. Período noturno. Economia. Trabalhava. Nunca na história desse país vivi anos tão tranquilos. Finais de semana trabalhava de madrugada, demais dias saía da UFPR às 23. Tinha segurança. Não havia bala perdida, só com endereço certo. Era a luta. Os que queriam o poder serviam-se de todos os meios: assaltos, sequestros, guerrilhas. Lógico que quem estava no poder defendia-se. E por serem meios escusos os utilizados, que confiança despertava nos militares? Não abriam mão, só o fizeram quando os meios foram 'direitos': estado de direito da OAB, diretas já. Mas enquanto a curiola (que agora está no poder, usando novamente de meios escusos) os enfrentava espuriamente, com a força eram repelidos. Natural meu caro Watson. (Há excessões? Certamente. De ambos os lados.) continuar lendo

Ditadura por ditadura, prefiro a que ocorreu no Brasil, ou, será que os Srs. preferiam uma no mesmo estilo que ocorreu na URSS com milhões de mortos, ou, que o nosso país estivesse igual a cuba? Essa inocência de achar que o mundo pode ser uma grande comunidade harmoniosa é incrível! O capitalismo foi e é a evolução natural que mais reflete a personalidade do homem. continuar lendo

Interessante, os que tratam o que aconteceu como ditadura são os que me chamam de "cara pálida" ou os que dizem "se você acha que sim por favor não me conheça (ameaça?).

Não conclui nada em meu comentário, apenas relatei uma dúvida, como de fato a tenho.

Existem dois lados nessa história. Como não sou parcial, não conclui nada, apenas esperava que alguém utilizasse argumentos para me convencer a se posicionar por um dos lados.

Só sei de uma coisa, não queria ter crescido em um país comunista. continuar lendo

Sr Humberto Ribas

O mundo era polarizado, ou você se aproximava dos EUA que tinham seus interesses ou da URSS, que também tinha seus interesses. Roberto Marinho se aproximou dos EUA, e consequentemente parte do Brasil, mas há guerrilheiro que hoje declara que teve ajuda da KGB (eles iriam ajudá-lo a troco de nada?) "http://globotv.globo.com/canal-brasil/espelho/v/ancelmo-gois-fala-de-sua-experiencia-na-russia/1999558/".

Em minha opinião o governo de exceção usou o apoio dos EUA quando lhe foi útil mas teve independência para tomar suas próprias decisões:

- Onde os EUA mandam, as petroleiras estadunidenses dominam, no Brasil mantemos e ampliamos a Petrobrás, tentamos reduzir a dependência do petróleo com iniciativas como pró-álcool;
- Os EUA nunca desejaram que dominássemos o ciclo do urânio, inclusive contratamos as usinas de angra junto aos alemães que ofereceram um pacote de transferência tecnológica maior;
- O Collor, presidente pós "redemocratização" é quem encerrou nosso programa nuclear bélico, também tocado a contra-gosto dos EUA (desde a "redemocratização" assinamos diversos tratados que limitaram nosso acesso a arsenal de ponta (incluindo mísseis balísticos de longo alcance).
- Nossa Engesa causou tanto desconforto que os EUA fizeram gestões para que a mesma quebrasse. Ameaçou nossos consumidores de veículos blindados com a falta de suprimento de manutenção para suas frotas de aviões de combate estadunidenses.
.... continuar lendo

Absurdo se falar em "intervenção" em uma eleição que foi totalmente legítima.
O brasileiro realmente tem memória muito curta.
Além do mais, não há que se falar em experiências pessoais, sem se falar no que aconteceu no país de forma geral.
O PSDB está manipulando sim, através da mídia (TV, internet) aqueles que não sabem onde buscar informação! continuar lendo

Necessária?
O Brasil não corria risco algum de se tornar comunista. Nem a Argentina, Uruguai, Bolívia, Colômbia, Paraguai, Chile, Peru...
Os EUA orquestraram e financiaram os militares de todos os países da América do Sul para a única e exclusiva defesa dos interesses deles mesmo. continuar lendo

Minha mãe sempre diz que a história se repete. Tínhamos essa dúvida em 64 e temos essa dúvida para os dias de hoje. continuar lendo