jusbrasil.com.br
2 de Março de 2021

A difícil arte de ser mulher: abandono material e afetivo

Wagner Francesco ⚖, Advogado
Publicado por Wagner Francesco ⚖
há 4 anos

A difcil arte de ser mulher abandono material e afetivo

Ontem recebi um email de uma amiga pedindo ajuda. Fiz a promessa que iria ajudar e pedi: "posso tornar público esse fato?". Ela disse: "sim, claro. Por favor".

Antes de começar a contar o caso, veio em minha mente uma história interessante que a Bíblia mostra - e que revela, exatamente, onde nós homens ficamos quando as mulheres são apedrejadas: escondidos e protegidos.

E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério. E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterando. E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?

Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra. E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.

E, tornando a inclinar-se, escrevia na terra.

Quando ouviram isto, redarguidos da consciência, saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos; ficou só Jesus e a mulher que estava no meio. (João 8:3-9)

A grande pergunta é: se ela foi pega em adultério e a lei fala que os adúlteros deveriam ser mortos - Levítico 20:10 - então cadê o homem na história? Ora, Levítico diz que "morrerá o adúltero e a adúltera". Eu não ficaria espantado se o adúltero estivesse ali, com a pedra...

Mas vamos à nossa história.

A difcil arte de ser mulher abandono material e afetivo

A questão toda é: o rapaz quer pagar a pensão, no valor que ele acha que deve pagar - dependendo da boa vontade dele. E mais: diz que não dará atenção para a filha e que elas, a mãe da criança e a criança, que se virem sozinhas... E a coisa fica pior: considera a mulher sem inteligência e estúpida por não ter feito o aborto.

E vocês pensam que são poucos os homens que exigem que a mulher faça o aborto? São muitos! E quando não conseguem convencer a mulher a fazer - ou fazem na força - abandonam a mulher e a criança. É o chamado Aborto Masculino, que se configura assim: abandonar os filhos gerados ou já nascidos, ignorando como vão sobreviver. É o tipo: "não quero nem saber. Assuma sua coisa. Você não quis?"

Certo: ninguém tem a obrigação de ficar com ninguém, mas não é só com Pensão Alimentícia que alguém se torna pai. Aliás - espaço para um desabafo - morro de ódio quando vejo alguém ser elevado ao patamar de "pai bondoso e presente, pois não deixa faltar comida". É preciso mais para ser bom pai: dirigir a edução e exercer a guarda, por exemplo. Estar presente na vida do filho, manter contato, ter a criança na sua companhia, telefonar, ir a reuniões escolares, levar ao médico, etc...

Mas só quer dar a pensão? Beleza. Boa parte da doutrina do Direito das Famílias fala na fixação dos alimentos de acordo com o trinômio necessidade x possibilidade x proporcionalidade. Mas o que deve mesmo ser levado em conta para se estimar o valor dos alimentos são as necessidades do alimentando: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer... Tá pensando que é só colocar "feijão na mesa"?

Mas e essa parte do pensamento do rapaz: "se quiser alimento eu dou, mas não sou obrigado a mais nada. Crie sua filha e me deixe em paz"? Recentemente um pai foi condenado porque não se fez presente na vida da filha e teve que pagar R$ 5 mil por Abandono Afetivo. Eu sou um dos que não recebe muito bem essa coisa de indenização por Abandono Afetivo, mas ele existe e os tribunais estão dando! Não dá pra fazer filho e dizer: "ele é só seu. Assuma - e suma da minha vida".

E por fim, o aborto. Ele cometeu ou não cometeu crime ao induzir a moça ao cometimento do aborto? Não. Não existe o crime de induzimento ao aborto - o que existe é a tentativa de aborto. Se ela tentasse o aborto, ele responderia criminalmente. Se ela abortasse, ele responderia criminalmente. Se ele deu a ideia e ela não seguiu, ele não responde por nada criminalmente.

Crime não cometeu, mas mostrou exatamente como muitos homens pensam: são contra o aborto dos outros. Fazem filhos e dizem que os filhos são só da mulher... Tal como no tempo de Jesus, só quem leva as pedradas da vida são as mulheres - e são os homens que as jogam!

122 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Existem verdades latentes e que não podem e nem devem ser desprezadas.
Primeiro, a liberdade sexual não vem acompanhada obrigatoriamente da responsabilidade sexual.
No ôba ôba do sexo fácil, livre e prazeroso, obrigações posteriores não contam, certo?
Errado! Legalmente, elas contam. Mas ninguém pode ser compelido a sentir afeto, amor, proximidade, portanto a responsabilização obrigatória poderá nunca passar de simples ressarcimento ou cobertura pecuniária.
Ainda, muitas mulheres usam do artifício da gravidez, para tentar prender um homem e cada vez menos, conseguem.
O que conseguem sempre é briga na justiça e muita dor de cabeça. Filho ainda é símbolo de tranquilidade financeira, se o pai tiver essa condição de assegurar.
E aquelas que entraram na gravidez por despreparo, embora nunca tivessem objetivado qualquer vantagem por isso, vão aprender de forma amarga que confiança é uma coisa que se adquire com o tempo e não em um relacionamento ocasional.
E o homem que pelo sexo irresponsável ignora a figura de um filho, esqueçam. Não é homem, é apenas do sexo masculino, portanto nunca poderá ser chamado de pai. Melhor que fique mesmo, longe. continuar lendo

Há também o aspecto da decisão conjunta.

Considerando que houve uma gravidez indesejada (por ambos), então a responsabilidade é de ambos.
Por isso o pai é chamado (legalmente) à responsabilidade, inclusive durante a gravidez e não apenas depois do nascimento.

Entretanto, QUALQUER decisão tomada em relação a essa gravidez também TEM que ser tomada em conjunto.
Por que só a mulher deve ter o direito de decidir sobre um assunto que diz respeito a ambos?
E não são decisões quaisquer. São decisões que afetam drasticamente a vida da mulher e TAMBÉM do homem.

A maioria das mulheres é a favor (ou ao menos cogita ter o direito) do aborto.
E a principal razão delas é: elas devem ter liberdade de escolher o que fazer e como será o seu futuro.
Muito bem. Mas e a liberdade do homem (o pai), como fica?

Como dito aqui pelo José, nem sempre o homem sequer está de acordo com a possibilidade da gravidez e é enganado por mulheres que usam da gravidez de alguma forma.

É preciso que as mulheres (e a justiça) entendam que a responsabilidade é de ambos. E, por isso mesmo, a decisão também TEM QUE SER em conjunto, para qualquer assunto que trate dos filhos ou possibilidade de tê-los. continuar lendo

Só acrescento John, que leis não colocam o filho na barriga do homem e por isso mesmo são as mulheres as mais atingidas, mesmo considerando a responsabilidade mútua.
Penso que talvez um dia, quando o melado não mais lambuzar, as mulheres finalmente entendam que a maior liberdade sexual que elas precisam, é a de poder falar não e serem respeitadas. continuar lendo

John Doe, estou aqui batendo palmas a você!

É EXATAMENTE isso que eu sempre falo para todos (as).

A mulher SEMPRE tem escolha, pro homem é SEMPRE enfiado goela abaixo. continuar lendo

Concordo plenamente! Legalmente o pai é obrigado a prover o filho, mas não é obrigado a dar amor, carinho e atenção, porque esses sentimentos são espontâneos, e nunca forçados!!!! Não concordo com esses filhos que foram abandonados na infância e depois pleiteam indenização por danos morais, é como ficar implorando migalhas de atenção, e quando nem isso acontece, querem se vingar!
Meu pai me abandonou e nunca se preocupou comigo, simplesmente ignoro esse fato e bola pra frente, tenho que dar atenção de quem quer minha atenção, quem não quer.......bjos e não me liga!!! Acho que tá faltando maturidade emocional de lidar com as frustrações e entender que nós não conseguimos agradar todo mundo...nem Jesus Cristo agradou a todos!!!! continuar lendo

Queria escrever exatamente isso que foi escrito por você: não se pode obrigar alguém a ter afeto.
Tenho 64 anos, advogada de família, e mãe solteira. Tive um filho porque quis. A responsabilidade ou irresponsabilidade foi minha. continuar lendo

Abomino esta ideia de tranquilidade financeira ser motivo para se parir. Na atual conjuntura, só jogador de futebol dos bons e políticos poderiam dar esta tranquilidade. Concordo que a decisão de ter o filho deve ser de ambos. A mesma que DECIDE ter o filho é a que vai brigar por pensão mais tarde - no que ela está certa, perante a lei. Não se desiste de direito de terceiros -. Concordo, ainda, que há que se ter sexo responsável. Pilula E preservativo. Evita filhos e DST. Meninos, encapem o pirulito. Mulheres exijam isto. continuar lendo

De uma coisa eu sei: as pessoas transam sem se prevenir e acham que vão ganhar o quê, um iphone?! Não, um ser humano pra cuidar pro resto da vida.
E muitas vezes a gente fica com pena da pobre mulher que vai cuidar sozinha, mas na realidade só sobre para os AVÓS. continuar lendo

melhor comentário! to rindo até amanhã. Fica a alerta pro pessoal que tá doido atrás de um Iphone.... continuar lendo

Concordo, mas você pode até não acreditar, há muita falta de informação, triste viu, e sobra mesmo, muitas vezes para os avós continuar lendo

Pura verdade!

...filho não é moeda de troca. continuar lendo

Discordo de você, eu tenho 2 filhos, sou mãe solteira e não me aproveito de minha mãe para tomar nem dos avós paternos, os filhos são meus e quem tem que cuidar sou eu, inclusive o meu mais novo tem 5 meses e vai para a faculdade comigo todos os dias. continuar lendo

Oi @renatamelo83,

Eu concordo com a Agna, mas creio que nem eu e nem ela fazemos esse juízo das mães solteiras que abraçam a causa da maternidade arcando com a criação da prole, muito pelo contrário. De mim apenas terão palavras de apoio, consideração e respeito. Aliás, conheço o contrário, ou seja
"mães casadas" (e folgadas) que delegaram toda a criação dos filhos aos pais.

A questão dos "Iphones" é para aquelas pela qual o texto comentado "chora as pitangas". As "vítimas das circunstâncias" que, como muito bem colocou a Agna, devem ter pensando que deixando colocar a "sementinha" lá poderia nascer um Iphone.

Quanto aos Iphones, vejo que além de assumir com responsabilidade está dando um ótimo exemplo para os seus filhos não abandonando os estudos e a carreira. Talvez num futuro a médio prazo eles estudem, trabalhem e além de te tornarem uma mãe orgulhosa ainda lhe deem Iphones e outros mimos. continuar lendo

Farei um comentário aqui que, friso, está baseado somente no que está contido no texto acima e, principalmente no destaque dado a provável mensagem enviada pelo pai à mãe da criança. Parece que, desde o início, ela estava ciente de que se levasse a gravidez adiante não teria um pai para sua filha, apenas o cara que a gerou junto com ela e que se dispôs a pagar o que a lei lhe determina. Desta forma não vejo como colocar a culpa somente nos ombros dele por não querer envolvimento afetivo com a criança, já que, repito, PARECE, ter deixado claro desde o começo que não desejava a gravidez. A verdade é que ambos estão errados desde o início, pela falta de cuidado em tentar evitar a gravidez; pela - talvez - insistência dela em ter o filho e, depois, achar que ele poderia mudar de ideia; querer não só os alimentos mas o amor dele de pai que ele já havia deixado claro que não aconteceria. Não sei se este pode ser o caso, mais comum do que a gente imagina, de mulheres que acham que filhos "prendem" namorados, maridos, etc, isto não acontece!!! No final das contas somente quem sofre é a criança, pois terá uma mãe frustrada neste aspecto e um pai ausente que, conscientemente, não quis assumir o papel de pai presente, triste... continuar lendo

Bem, acho que aqui vemos mais um exemplo de culpabilização da mulher. Se ELE não quer porque ela deve querer? Se ELE não quer porque ela tem que 'encher o saco' dele com essa história? Não sabemos a história dos dois mas sim que ele é tão culpado, se não mais, que ela pois se não queria filhos por que não encapou o pinto? Já existem camisinhas no mercado a uns bons anos. A culpa é dela por querer seguir adiante com uma gravidez e não ceder a vontade de aborto (que é crime) do pai da criança? Infelizmente negar afeto ao filho não é contra a lei mas tratar a mãe como se ela fosse a única 'culpada' por engravidar e seguir com a gestação já é demais. continuar lendo

Heloisa, não passa pela sua cabeça que a gravidez tenha sido indesejada por ambos ? Que a concepção da criança tenha sido um acidente ? Talvez ambos, por desídia, ou desconhecimento, não aderiram às medidas contraceptivas e a indesejada gravidez ocorreu. A partir disso, mesmo sendo indesejada, a criança estava sendo gerada, e a mãe, por ideologia, talvez, não quisesse aderir ao aborto e tenha arriscado uma última cartada, de tentar fazer o Pai assumir e amar aquela criança que não possui responsabilidade alguma pelo erro cometido por eles. É muito triste ver machismo em qualquer de seus níveis, mesmo quando está velado em comentários como este, mas é muito pior quando ele parte de quem menos se espera, uma mulher. continuar lendo

Prezados Isaíra e Fernando,

não se trata de culpar somente a mulher, até porque sou uma e tento sempre que possível defender o que nos afeta direta ou indiretamente, mas se você leu com atenção meu comentário, eu disse que a culpa era de AMBOS por não se preocuparem em evitar a concepção, já que isso é de responsabilidade de ambos e não de apenas um deles, e não simplesmente partir para o aborto ou deixar que a situação chegasse ao ponto a que chegou. Aqui aplica-se um velho ditado que diz que "quando um não quer dois não brigam", ou seja, reitero, a culpa é de ambos por razões comuns e diversas. A "culpa" dela, sob o ponto de vista do texto a meu ver, foi em insistir - caso a gravidez tenha ocorrido independente dos cuidados supostamente tomados por ambos - em querer um vínculo que desde o início o pai deixou patente que não aconteceria, e não por não querer fazer o aborto. Por esta razão em momento algum coloquei a "culpa" de forma exclusiva sobre ela.
Em relação a colocação do Fernando, ele próprio utiliza a expressão "arriscado uma última cartada", ou, em termos menos formais, "forçou a barra" com o pai ao insistir em manter a gravidez não sob a questão de não realizar o aborto, mas de apostar que poderia o pai mudar seu pensamento ao ver a criança, isso, infelizmente, ainda é muito comum acontecer.
Acho que, infelizmente, não me fiz entender em minhas colocações, muito embora logo no início tenha deixado claro que me baseava somente nas informações do texto, até porque não conheço as pessoas envolvidas, porém, reitero, que qualquer resposta ou colocação deverá ser feita após se ler com atenção o texto em questão de forma a não haver interpretação equivocada da opinião exposta. continuar lendo

Heloisa,

Venho apenas lhe dizer que é comum, em assuntos de certa polêmica como esse, que muitas pessoas leiam "o que elas querem", não o que de fato você escreveu.

Att. continuar lendo

Acho que você chegou num ponto interessante. Não sei se nenhum dos dois planejou a gravidez, ou se ela planejou sozinha pra segurar homem e sinceramente não me diz respeito. Mas uma coisa é fato: ele desde o início rejeitou a criança, prometeu registrar e pagar o que a lei manda, mas negou-se a ser pai de verdade. Se ela quis seguir com a gravidez, por ideologia, por princípios, por sonhos, pelo que for, ela aceitou a maternidade, ela merece com certeza respeito nosso por não ter sido covarde como as milhares de mulheres que abortam "seus erros" (e bem sabemos que aborto é crime só no código penal, pq na prática não da em nada). No entanto, ela aceitou...ele não! Essa encheção de saco dela pro cara ser presente é ridícula. Não vai resolver nada além de distanciar mais e fazer dela uma chata insistente do caramba. Ela precisa entender que deu pra um babaca, engravidou, se ferrou e que a filha ainda que conte com nome e recursos dele, é afetivamente só dela. Paciência. Aceita que dói menos...se quiser vingança, faz ele pagar uma indenização por abandono afetivo daqui uns anos na justiça e delicie-se com isso, é o máximo que dá pra fazer. Essa lenga lenga de cobrar atenção é tosca, chata, e o oposto de uma mulher que se ama e se respeita e que, uma vez que decide ter o filho, decide assumir o encargo independente do babaca do pai. Quer um pai melhor pra sua filha? Dá pra alguém menos babaca na próxima (ou usa camisinha), ou então não segue com a gravidez. Não dá pra mandar um babaca virar homem, só buscar alimentos e indenização mesmo, simples assim. continuar lendo

Prezados John Doe e Marília,

leitura apressada e/ou desatenta, leva a interpretações e respostas equivocadas, isso é fato, infelizmente, ou, como vc disse, resulta apenas em ver a parte que lhe interessa.

E Marília, parabéns pela sua colocação!! Ela literalmente pagou pra ver, independente se a circunstancia foi a de um casal que se viu diante de uma gravidez indesejada mesmo tendo tomado os devidos cuidados ou em qualquer das hipóteses levantadas. A questão se desdobra na verdade em várias vertentes, inclusive a da coragem ou covardia da atitude dela frente a um possível aborto como vc citou.

Já que é pra ser chamada de machista como fui, assumo que, se é pra assumir a responsabilidade sobre uma decisão que, mesmo sabendo ser uma furada desde o início, eu quis assumir fosse por que razão fosse, então sim, sou machista!

Afinal é muito fácil agora com a criança pra criar ficar nesse chororô de "quero um papai pra minha filhinha", quando ela sempre soube que isso não ia acontecer!!

Como disse no meu comentário inicial, essa atitude leva apenas a um distanciamento ainda maior do pai, além da frustração cada vez maior dela que, esperamos, não seja transferida para a criança, que além do fato de só possuir um pai sob o ponto de vista biológico e financeiro, será obrigada a conviver com sabe-se lá que tipo de comentários e colocações da própria mãe e de outras pessoas.

Pra finalizar, cito apenas o exemplo do Pelé e da filha Sandra, que faleceu anos depois de ter sido reconhecida por ele, mas que mesmo após ter sido literalmente obrigado a reconhecer a filha por força do resultado do exame de DNA, nunca se aproximou dela, e nem tampouco demonstrou qualquer intenção no sentido de ser um pai além de um nome na certidão de nascimento.

Os antigos já diziam é continua sendo uma grande verdade, nada que é forçado presta... continuar lendo

Mas a gravidez aconteceu, não sabemos em que contexto, furou a camisinha? A pílula, o diu ou o que seja falhou?
Enfim, lamento por ele, poderia viver experiências maravilhosas com esta criança, que só teria amor para dar,
Compreendo que o texto, chama a atenção para a facilidade com que o homem abandona os filhos (há mulheres também, em minoria, mas tem) isso é cultural,
ninguém trata o homem que deixa o filho de lado, como quando acontece com a mulher
olha, as crianças que os pais abandonam, são chamadas pelo nome, quando é a mãe de bastardinha
"Olha lá o bastardinho!" tive que ouvir muitas vezes meus alunos serem chamados assim, irresponsabilidades existem, mas acidentes acontecem, e parece que o mundo vê o homem largar o filho, só mandar dinheiro, como normal,
uma pena! continuar lendo

Débora Rodrigues,

"Enfim, lamento por ele, poderia viver experiências maravilhosas com esta criança, que só teria amor para dar,"

Não sejamos simplistas ou hipócritas.
Filhos também trazem problemas e aborrecimentos.
Nem todo filho é uma benção na vida dos pais. (E nem sempre a culpa é dos pais.)

Basta verificar que na medida em que a civilização avança a quantidade de filhos por casal diminui.
E hoje, cada vez mais casais tem decidido (e assumido em público) a ideia de não ter filho algum.

Se tudo fosse assim tão maravilhoso as estatísticas seriam inversas.

É preciso olhar para qualquer assunto, inclusive paternidade/maternidade com sinceridade e realismo.
Existem aqueles que não querem e nem sequer gostam da ideia.
Nem por isso estão errados.
E não podem ser forçados, juridicamente, a mudar o que pensam e sentem sobre o assunto. continuar lendo

Adultério é praticado pela parte casada. Na história bíblica, não diz se o homem era casado também, poderia ser que apenas a mulher fosse casada, assim, apenas ela cometeu adultério que é a violacão da fidelidade conjugal prometida entre os cônjuges, não prometida por terceira pessoa.

Não vejo onde o rapaz diz que paga pensão "no valor que ele acha que deve pagar - dependendo da boa vontade dele.".

É direito dele considerar "a mulher sem inteligência e estúpida por não ter feito o aborto." assim como muitos o consideram um canalha ou algo pior por esse comportamento.

EU agradeceria um homem desse tipo por sumir da vida de meu filho, é muito melhor um pai ausente do que um salafrário presente só por se sentir obrigado que bem pode perturbar muito eu e meu filho, sendo até muito negativo para a criança.

E não haverá Lei nem Juízo que obrigue o homem a aceitar e assumir o filho emocionalmente, melhor previnir e evitar uma gravidez indesejada para seu próprio bem e de seus filhos porque essa é a realidade e não adianta reclamar nem choramingar nem acusar nem nada, a natureza nos fez diferentes, não existe essa igualdade fabricada, a mulher que carrega a consequência de sua escolha em seu corpo, então que faca boas escolhas pois somos nós que sempre arcamos com o risco de engravidar e pronto! continuar lendo

"Adultério é praticado pela parte casada. Na história bíblica, não diz se o homem era casado também, poderia ser que apenas a mulher fosse casada, assim, apenas ela cometeu adultério que é a violacão da fidelidade conjugal prometida entre os cônjuges, não prometida por terceira pessoa."

Levítico 20:10:

Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera.

Tanto o homem que adulterar, quando a mulher adúltera, serão mortos. Os dois envolvidos na relação. Se somente a parte casada fosse digna da pena de morte, o texto não teria incluído, literalmente, adúltero e adúltera: os envolvidos. continuar lendo

Dóris eu te amo! kkkkkkkk. Seus comentários são sempre os melhores. Sinceridade é tudo! continuar lendo

Por coincidência, há pouco tempo uma amiga, moça, reclamava comigo sobre o seu ex-marido, que ela considera um imbecil. Um canalha.
Especialmente, reclamava que ele estava sendo um incômodo, porque ela fazia questão DE VER a filha.
Ela estava em busca de uma solução jurídica. Quer afastar o ex-marido da filha, porque não gosta da presença dele (porém, diga-se, faz questão que seja mantida a pensão que ele paga!).

O que eu disse a ela, em resumo foi: infelizmente você escolheu mal o parceiro para ter um filho.
Lamento, mas essa é uma decisão com a qual você vai ter que conviver e precisará administrar para o resto da vida.

É claro, ela não gostou do que eu disse. Muito menos concordou. Mas percebi na sua expressão, que ela sabe que é verdade. continuar lendo

Grata, Marília, você é muito amável. continuar lendo

Wagner, realmente, você está correto quanto a Levítico, porém me referi apenas a história de João 8:2-11 contada no artigo. Em todo caso, para mim, adultério só é cometido por cônjuge visto que só cônjuges prometeram fidelidade. continuar lendo

Eu acho que a parte em que ele menciona a bíblia é só pra fazer a analogia depois: Se ela quiser o aborto, ela terá problemas. Mas se ele sugerir o aborto, não acontece nada. Na pior circunstância: Ele pode sugerir o aborto, ela pode abortar e apenas ela iria presa. continuar lendo