jusbrasil.com.br
24 de Julho de 2021

Por que Aécio Neves está errado em defender redução da maioridade penal?

"Preso, aprendi cedo tudo sobre crime e roubo"

Wagner Francesco ⚖, Advogado
Publicado por Wagner Francesco ⚖
há 7 anos

Por que Acio Neves est errado em defender reduo da maioridade penal

Por Luiz Alberto Mendes Jr.

Como impedir que os maiores de idade influenciem ou cooptem os garotos, ainda frágeis em seus critérios de julgamento, para o crime?

Moro na periferia da cidade e vejo sempre cenas assim: o traficante é preso, paga, e é solto. Dia seguinte está acelerando seu possante na viela, com a "mina" mais bonita da "quebrada" na garupa. A molecada o rodeia, ele trata a todos com generosidade. Promove festas, financia comemorações e é padrinho de várias crianças na favela. Não é preciso pensar muito para imaginar o que os meninos aprendem com aquela cena. São garotos que trabalham de carregadores, ajudantes gerais e serventes de pedreiros. Não são registrados e ganham uma mixaria que, ao fim do mês, só paga as dívidas. E as meninas só querem sair com os meninos que têm motocicleta nova e andam com o tênis da moda. Aos "duros" resta andar na madrugada em bandos em busca de grana para fumar mais um baseado ou coisa pior.

Saí do juizado de menores (Fundação Casa da época) aos 18 anos, querendo o prestígio e a grana do bandido. Esses eram os valores que eu havia aprendido lá dentro. Claro, eu não era inocente, mas aprendi cedo tudo sobre crime e roubo nas instituições do Estado. Aos 19 anos fui preso definitivamente. Havia cometido uma longa série de assaltos e assassinara uma pessoa em um tiroteio. Durante o cumprimento da pena que se estendeu por 31 anos e 10 meses, aprendi a ler e a escrever e descobri um mundo que não tinha nem ideia que existia.

Aprendi a amar quando, mesmo preso, fui amado. A partir daí comecei a me dar conta da riqueza que existe em cada pessoa. Quando então nasceu Renato, meu primeiro filho, o processo se consolidou.

Depois de 45 anos, voltei ao que hoje chamam de Fundação Casa, desta vez para produzir Oficinas de Leitura e Escrita com os meninos. Eu já estivera em uma encruzilhada como aquela em que eles se encontram. E minhas escolhas foram desastrosas. Fui contando a eles as consequências. Queria desromantizar, desmistificar, expor ao ridículo todo o glamour que eles pudessem ter pelo crime e a prisão. Tentava desconstruir a cultura de crime clandestina que eles vivem como vítimas abandonadas que são.

Queria esfregar na cara deles a realidade de suas vidas. Eles são meninos, crianças como nossos filhos e nós os desumanizamos ao chamá-los de "menores". Tanto que, quando comecei a falar nas mães, foi mágico: os "bandidos" choravam. A maioria tinha a pelé escura e morou em favelas e, em uma sala com 20 meninos, apenas 2 tinham uma vida regular com casa, pais e irmãos vivendo juntos sob o mesmo teto.

No final das contas, algumas conclusões: é preciso fazer alguma coisa, e já está mais que provado que a violência tem sua raiz na má distribuição de renda e na desigualdade social. Os países que melhor distribuem riqueza têm menos desigualdade social e, consequentemente, menores índices de violência. Aprendi por experiência própria, dentro e fora das prisões, que promessas eleitoreiras de redução de maioridade penal não ajudam em nada. Um candidato a presidente deveria se preocupar em reduzir as desigualdades e proteger as crianças e os adolescentes de seu país, e não em jogá-los numa prisão.

Fonte: Carta Capital

736 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A gente reduz para 16.
Daqui há alguns anos, vamos estar no mesmo debate, mas seria para 14.

E, posteriormente, a mesma situação, só que para 10.

A solução está longe de ser a redução da maioridade penal.

A prisão não prende e nem ressocializa.

Enquanto a sociedade não mudar a ideia medieval quanto à punição e à vingança, nada mudará.

Tudo o que acontece é culpa nossa. Só nossa! continuar lendo

Laura,

Com certeza e não tenho duvida que a culpa é nossa (POVO).
Pois se valorizasses as pessoas de bem, e tivessem um pouco mais de consciência e interesse, não estariamos assim,
Enquanto uns trabalham e estudam que nem loucos, outros preferem o oposto, nem vale a pena dizer o que.
E não é por falta de oportunidade, porque em nossa historia nunca tivemos tantas oportunidade como existe hoje.
Antigamente não existia isso, e as crianças trabalhavam desde cedo, e se tornavam pessoas de bem e Pais de família, isso é estatística e não tem como negar.
Temos que voltar atras muitos anos, e resgatar algo de muito importante que se perdeu, valorizar, incentivar e investir em quem quer, e punir quem não!.
Hoje quanto mais se da, pior é, ta cheio de oportunidade, só não vai quem não quer.
Ninquem quer trabalhar pra ganhar 1mil, se pode roubar e ganhar muito mais por dia.
Isso precisa acabar, e não e dando se que resolve, é por isso que estamos nessa situação. continuar lendo

Não estamos na era medieval!.
Estamos na era moderna:
- Tudo liberado
- Ninguem responde por nada, a não ser as pessoas de bem e qdo querem.
- Lei que não funcionam mais, porque a justiça não obriga.

Agora comparamos a criminalidade x criação de anos atras com a de agora.

Infelizmente não tem como comparar, são completamente diferentes, agora só resta escolher, queremos viver em harmonia com nossas familias ou presos pela falta de segurança por um sistema falido.
Deixamos claro, isso não tem nada a haver com a vida simples das pessoas, mesmo porque tem oportunidade demais para quem quer ser gente, mas tem muita gente se fazendo de coitado a vida inteira e destruindo uma sociedade de bem que esta em extinção.
Lembrando que os ricos tb robam e matam, então não é dinherio e sim leis eficientes. continuar lendo

Sr. Arnaldo... Se ninguém respondesse por nada, por que as cadeias estão superlotadas?

Por que a gente acha que prisão ressocializa? Por que a gente quer que se prenda mais e mais, mesmo sabendo que a prisão não cumpre seu dever social e, não raro, realiza exatamente o processo contrário?

A gente quer punir ou vingar? Em questão de gestão pública, a gente brinca de criminalizar, a gente brinca de polícia e ladrão porque a nossa política carcerária e penal é extremamente ineficaz.

Não é jogar uma pessoa no inferno (porque prisão é isso), que a gente vai ressocializar... Não é amarrar ela em um poste que a gente vai fazer justiça.

Eu não defendo bandido, defendo a coerência e uma gestão inteligente.

Pessoas de bem e pessoas de mal são conceitos arcaicos... acontece o que acontece há milênios. Crimes existem desde que a humanidade existe, o que muda é o modo com que a gente trata a problemática social. continuar lendo

Temos que parar de fazer lírica sensacionalista com isso. continuar lendo

Srª Laura,

Diga isso para os pais do menino João Hélio (apenas 6 anos de idade!) que foi arrastado por 7 Km por um "di menó" de 16. O menino teve que ser sepultado em caixão fechado porque o corpo foi dilacerado.
http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL4884-5606,00-MENOR+ACUSADO+DE+ARRASTAR+MENINO+FICARA+DETIDO+POR+NO+MAXIMO+ANOS.html

Diga isso para os pais da menina de 14 anos que foi morta com um tiro no olho por um psicopata de 17 um dia antes de completar 18 aninhos.

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/com-17-anose364-dias-ele-matou-uma-garota-de-14-com-um-tiro-no-olho-filmou-tudoepassouovideo-para-amigoserivais-para-mostrar-quem-manda-estara-na-rua-comaficha-limpa-antes-dos-20-p/

Diga isso para os pais da menina de 16 anos que foi estuprada por vários homens durante 5 dias, cujo líder era o Champinha, um "bebezinho" de 16 anos que depois a matou a sangue frio. Isso sem contar o namorado dela (de 19 anos) que foi morto na frente dela.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Caso_Liana_Friedenbach_e_Felipe_Caff%C3%A9

Aí eu te pergunto, se fosse com alguém da tua família, você gritaria: "A CULPA É MINHA!" ? continuar lendo

Partindo do princípio que ninguém nasce bandido, é fato que existe a omissão do Estado e da sociedade em corrigir o problema. Não vai adiantar baixar a maioridade para 16, 15, 14, 13, 12,11, ou 10 anos de idade. Acontece que, além da maioria esmagadora dos crimes hediondos serem praticados por bandidos adultos (em torno de 99,5%), inclusive a corrupção de menores, a bandidagem vai reduzir gradativamente a idade dos infratores para compor os quadros do tráfico. O tráfico não é simplesmente um desordenado grupo de meliantes. É organizado, corrompe menores, autoridades e servidores públicos de diversas instâncias como é corriqueiramente noticiado pela mídia. Ademais o desvio (roubo) de verbas públicas relacionados a políticas de segurança pública é hediondo pode multiplicar em muito o problema da recuperação do menor infrator e carcerário como um todo.

"Dados do Ministério da Justiça (MJ) mostram o ritmo crescente da população carcerária no Brasil. Entre janeiro de 1992 e junho de 2013, enquanto a população cresceu 36%, o número de pessoas presas aumentou 403,5%.
De acordo com o Centro Internacional de Estudos Penitenciários, ligado à Universidade de Essex, no Reino Unido, a média mundial de encarceramento é de 144 presos para cada 100 mil habitantes.
No Brasil, o número de presos sobe para 300. Essas estatísticas fazem parte da primeira reportagem da série Prisões Brasileiras
Atualmente, são aproximadamente 574 mil pessoas presas no Brasil. É a quarta maior população carcerária do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (2,2 milhões), da China (1,6 milhão) e Rússia (740 mil).
Estamos inseridos em uma sociedade que, lamentavelmente, tem aquela sensação de que a segurança pública depende do encarceramento. Se nós encarcerarmos mais pessoas, nós vamos conseguir a paz no país. Se isso fosse verdade, já teríamos conquistado a paz há muito tempo”, criticou Douglas Martins, do Conselho Nacional de Justiça." (nota: A Russia, USA e China tem territórios maiores que o Brasil e só a Russia tem população um pouco menor. Sendo que a concentração de população no Brasil em centros urbanos é enorme).
http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/numero-de-presos-do-brasil-aumentou-mais-de-400-em-20-anos

"O ‘rigor’ da lei não têm intimidado jovens e adultos no cometimento de crimes. O Brasil tem um instrumento importante que é o Estatuto da Criança e do Adolescente que não vem sendo respeitado.Os adolescentes que acometem ato infracional representam hoje 17,4% da população carcerária do país, conforme dados da Secretaria Nacional de Direitos Humanos. As infrações cometidas por adolescentes não chegam a 10% do total"
http://www.opovo.com.br/app/opovo/opiniao/2014/02/22/noticiasjornalopiniao,3210788/voceea-favor-da-reducao-da-maioridade-penal-para-16-anos.shtml

"1 - MITO:Os adolescentes não respondem por seus atos perante a sociedade e a Justiça, estando acobertados por uma espécie de" imunidade ", sinônimo de" impunidade ";- VERDADE: Os adolescentes, na forma da lei, já são devidamente responsabilizados por seus atos anti-sociais, sendo passíveis de SANÇÕES estatais que, apesar de tecnicamente não serem chamadas de"penas"(são conhecidas por"medidas sócio-educativas") ...De acordo com o previsto no próprio Estatuto, a privação da liberdade do adolescente pode se estender por até 06 (seis) anos, sendo 03 (três) anos em regime de internação e outros 03 (três) anos em semiliberdade. ...Eventual inércia das autoridades (seja por desconhecimento, seja por pura indolência) não pode ser creditada à lei nem servir de pretexto para sua alteração,"http://www.criança.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=255

A redução da idade penal pode ser derrubada no STF por ser inconstitucional:"A proposta de redução da maioridade penal é considerada inconstitucional e violação de cláusula pétrea, além de fortalecer a política criminal e afrontar a proteção integral. Ter uma política que reduz a maioridade penal é atropelar a Constituição brasileira. É preciso saber que a inimputabilidade dos menores de 18 (dezoito) anos possui previsão constitucional no artigo 228, ou seja, a impossibilidade de receber sanções iguais a de adultos é uma garantia individual da criança e do adolescente, essa é a garantia jurídica" http://www.jb.com.br/juventude-de-fe/noticias/2014/08/22/quemea-favor-da-reducao-da-maioridade-penalecontraavida-da-juventude/

Para quem quiser, de verdade, se aprofundar no assunto e ficar menos na superficialidade e por razões eleitoreiras ou pessoais, posto a seguir alguns links muito interessantes sobre a polêmica questão, apesar de saber que os brasileiros, em geral não gostam de ler e gostam de dar pitacos fortuitos sobre o complexo assunto que é de política pública de segurança :

http://www.18razoes.org.br/

http://18razoes.wordpress.com/quem-somos/

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/04/pela-nao-reducao-da-maioridade-penal.html

http://www.mpdft.mp.br/portal/pdf/unidades/promotorias/pdij/conanda/CONANDA_Nota_Publica_Reducao_Maioridade_Penal.pdf

http://www.criança.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=288

http://www.cartacapital.com.br/política/tema-de-campanha-reducao-da-maioridade-penal-vai-contra-onu-4720.html

http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/senado-%E2%80%9Cressuscita%E2%80%9D-reducao-da-maioridade-penal/

http://ambito-jurídico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13332&revista_caderno=12 continuar lendo

O povo - assim generalizado, é mais VÍTIMA, do que culpado. Eu desafio todos a contrários a provar que a maioria do povo é bandido, violento, desonesto, envolvido com o crime organizado!

Pelo contrário! A maioria do povo brasileiro, trabalha, educa seus filhos para a sociedade, e uma minoria, violenta, deseducada, mau caráter e PROTEGIDA por ONG´s e certo reduto social, querem insistir na tese. continuar lendo

Não ! o que você faz com a sua vida é responsabilidade sua ou de seus responsáveis caso seja. O mesmo vale para à minha pessoa.

Se a punição não resolve, ao menos o individuo que prejudica o próximo sem direito algum para tal, foi punido.

Lembrando que muitos cometem atrocidades à vida humana e não são punidos e nem por isto deixam de parar com a prática das mesmas. continuar lendo

"A prisão não prende" ? [Laura Valente]

Quem nunca teve uma arma apontada no rosto por um adolescente menor de 18 anos falaria tais bobagens como você.

Está longe de ser a solução do crime a redução da maior idade, porem uma medida como essa NÃO É EXCLUDENTE A OUTRAS MEDIDAS DE CUNHO SÓCIO EDUCATIVA. O fato que devemos analisar é: um jovem de 16 anos tem discernimento suficiente para saber o que é certo ou errado, entende a discrepância de uma atitude positiva de uma criminosa. Esse mesmo adolescente já vota, já pode ser emancipado, muitos são chefe de família.

Será que o Brasil está correto e resto do mundo, incluindo países mais desenvolvidos, está errado?

Será que a punição perdeu seu efeito? Pois me recordo que antigamente quando o crime era percentualmente menor, havia aplicação de punição mais rigorosa. Nós ensinamos as crianças aplicando castigo desde sempre. E a prisão nada mais é que uma forma de punir um criminoso que cometeu o ato em pela consciência do delito. continuar lendo

Não era melhor reduzir para 10 direto, então? continuar lendo

Sem dúvidas a raiz do problema está bem longe da redução da maioridade penal, porém não é errado punir um menor por seu erro.
Uma das maiores questões da sociedade está nesses valores, as pessoas estão cegas em achar que um jovem de 16 anos não pode ser punido... Não só pode, como DEVE ser punido, assim como todos que cometem erros, que roubam ou tiram a vida de alguém.
Infelizmente temos muitos valores invertidos em nossa sociedade, valores familiares, RESPEITO, e amor ao próximo são coisas raras nos dias de hj.E pelo que vejo, pela forma de pensar das pessoas, parece que estão mesmo perdidos pra sempre!
Vejo mesmo pelos pais de hj, não generalizo, mas a maioria não se esforça o mínimo para passar algum valor para os filhos, vejo crianças "soltas" na rua, pais que sequer se dão ao trabalho de segurar na maõzinha do filho ao andar em um local público... São detalhes mínimos mas que geram grandes resultados! continuar lendo

Ok, Sra. Laura!
Já que "a prisão não prende e nem ressocializa" vamos soltar todos, né?! Deixem eles por aí... matando, roubando, furtando, estuprando, até um dia quem sabe, eles enjoam e aí nesse fantástico mundo de Bobby, tudo se resolve.
Não se trata de vingança, se trata de justiça! Acredito que nunca tenha passado por uma situação de perder algum ente querido, e espero que não. Mas talvez assim você mudaria de ideia.
O código dos ricos, dos ladrões, dos corruptos, enfim, o código criado para aquelas pessoas que escolheram a vida da indignidade, que conhecemos como CP/CPP, deve ser reformulado. Até lá, sou totalmente a favor da redução da maioridade. Tem que existir no Brasil um meio de intimidação imponente para fazer com que o indivíduo tema a sanção da Lei, pois a atual é banalizada! Por isso, o país vive como se fosse o Iraque ou países do nível.
Concordo que as prisões não ressocializam ou mudam os indivíduos que lá se encontram, mas, honestamente, antes ruim para eles do que para nós. E nós também não estamos na melhor. Eu, você e grande parte da população escolhemos uma vida digna então que não paguemos pelos erros alheios. continuar lendo

Enquanto o povo colocar no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas criminosos e vagabundos de todos os tipos, não haverá solução. Como podemos aceitar que um candidato bem votado, com cerca de 85.000 votos, não seja eleito e um outro, com apenas 12.000 votos, seja eleito. Temos nas casas legislativas bandidos já condenados e sendo processados por crimes inimagináveis. Portanto, desculpe-me, mas eu não me considero culpado pela tragédia aqui tratada. Como diz o Sr. Ivanil Agostinho, a seguir, será que os pais do menino João Helio também são culpados ? continuar lendo

Tenho o pensamento bem similar ao seu Laura, esses argumentos de que "se acontecesse com seu filho você não falaria isso", como o Ivanil colocou, na minha concepção é completamente distoante do real problema social. A população brasileira de classe média pra cima se preocupa cada vez mais com a segurança pública para que afaste "deles" os incovenientes resultantes da ineficácia das políticas sociais com real poder de mudança. A falta de educação e saúde pública prejudica a MAIOR parte da população que é a parte miserável e pobre. Enquanto não mudar o discurso de redução da maioridade penal para maior numero de crianças na escola e maior atendimento de saúde, teremos que reduzira maior idade penal até 10 anos como você bem disse. continuar lendo

Prezado

A culpa é somente sua e dos que tem este tipo de pensamento, não existe nenhum tipo de tolerância a este marginais mirins!!!

Certamente quando fores ameaçado um dia juntamente com a família, pensaras 2 vezes a este tipo de opinião. continuar lendo

Enquanto os infratores não mudarem sua postura medieval e agressiva de matar e roubar suas vítimas, a solução é a punição mesmo. Tudo que acontece NÃO É CULPA MINHA, se o sujeito coloca uma arma na cintura e sai para barbarizar, porque é que a culpa é da sociedade e não da falta de caráter dele?? chegamos a essa situação caotica justamente por desviar o foco dos verdadeiros culpados pela criminalidade no país, OS CRIMINOSOS!! dizer que a culpa é da sociedade é só uma tentativa leviana de passar a mão pela cabecinha desses demônios, só dá mais ousadia para eles continuarem barbarizando!! continuar lendo

Nossa!!!!?????
Discordo, primeiro eu não forcei o pai e a mãe do menor produzirem aquela criança, segundo, acredito que, já nos primeiros delitos o pai e a mãe, caso sejam conhecidos, deveriam ser responsabilizados, inclusive presos, em eventos repetidos.
Essa idéia romântica que somos nós os culpados, pois não foi dada oportunidade, isso é balela, pois já conheci muito menor "assassino" que matou durante um latrocínio e alegou que fôra cobrar o que seria dele, já que o "tiozão é rico e culpado por eu não ter tido oportunidade, fui cobrar dele, ele não quis me dar o dinheiro, matei mesmo". esse mesmo menor, como outros que já tive contato, declararam que "Tu acha que eu vou ralar o mês todinho pra ganhá mil real, tu tá maluco!? isso ganho em um dia!"
Vou dizer mais, acho que em determinados casos, como do psicopata de Goiania, matou uns 50, deveria fuzilar essa "Besta" , pessoas sem nenhum vinculo com esse animal, foram assassinadas.
Acredito que se um menor mata dezenas de pessoas e não deveria ser punido, pois o único culpado sou eu, que nunca vi esse monstrinho, nossos políticos que somente furtaram milhões, não mataram ninguém, tem todo direito de ficar em liberdade !!!
Não estamos vivendo em um mundo de "OZ", vamos acordar !!!! continuar lendo

Cristovam Buarque está certo quando clama por revolução na educação.
Começa lá. Não em uma maioridade penal. Essa guerra já perdemos. Sério?
Sim. Prender não resolve mesmo.
Educar resolve.
Só não resolve em indivíduos incapazes de mudança, com demências, perturbações, desvios de conduta, psíquicos e demais.
Conheço gente boa que saiu da cadeia, lutou e conseguiu (claro, sozinho, já que é conhecido que as empresas não contratam ex-detentos).
Educação vem da família, de berço. Escolarização de qualidade complementa. Para daqui uns quinze anos (se agirmos AGORA), teremos uma nova discussão sobre isso com mais maturidade. Eu era a favor da redução, mas isso não ajuda.
A penalização deve existir, mas tem que ser OUTRA coisa, não cadeia.
Senão não resolve, ficamos no zero a zero, ou melhor, no sangue a sangue. continuar lendo

Só pode ser brincadeira um post desses.

Então a sociedade é que tem culpa dos delinquentes juvenis delinquirem? Me recuso a acreditar que li isso em um site deste gabarito, não pode ser.

Meu deus. Chega a ser deprimente.

Ideia medieval? Como assim? Punir os infratores por crimes cometidos não é o certo a se fazer? Vai me dizer que tu é mais uma esquerdalha que partilha do discurso falido de "quebrem-se todas as grades das prisões" ?

Faça o seguinte, já que a sociedade é culpada pelos psicopatas juvenis serem o que são, comece tu, a responder e dar o exemplo!

Argumento mais pífio! É por isso que vivemos na m..., quando um delinquente juvenil faz uma atrocidade, o que não falta é gente desocupada para passar a mão na cabeça e tapar o sol com a peneira.

A sociedade não é culpada por isso, mas sim gente feito tu, que é conivente com estas barbaridades que temos notícia diariamente. continuar lendo

Laura, concordo totalmente com vc. Prisão não socializa e redução da maioridade penal não é solução para os nossos problemas de violência e criminalidade. Penso que a solução está na Educação, em melhores oportunidades de emprego, qualificação profissional, elevando a qualidade do ensino em todos os níveis. O resto é consequência. Mas o resultado só aparece a longo prazo. Talvez, por isso, seja tão difícil investir em Educação neste país, em que todos querem resultados imediatos. E como, se o Congresso não permite as reformas necessárias? Todos esquecem que, seja quem vença as eleições, terá que governar junto com o Congresso. Não bastam promessas eleitoreiras. Há que compor um governo de coalizão com os Partidos e congressistas eleitos. Presidente não governa sozinho.
Todos sabemos como a população está exaltada, vivemos momentos de insanidade. As pessoas não estão penando direito. Acham que o projeto alternativo, que está prometendo mudanças, vai mudar alguma coisa. Não vai. Porque é um projeto que já foi implantado, e fracassou. Mas as pessoas não querem pensar. Pensar nisso e tentar compreender que por baixo dessa lama, grandes conquistas foram realizadas. Basta tirar a venda dos olhos. E, não, não sou petista. Antes que alguém me acuse de sê-lo. Apenas vi uma classe que nunca teve nada, poder comprar casa própria, poder andar de avião, mandar seu filho para a universidade, inclusive no exterior, e sim, minha colega de trabalho não gostou, porque o filho dela que sempre estudou em colégios caríssimos, vai concorrer, ao mesmo cargo, com o filho da empregada doméstica, que agora tem carteira assinada, férias, e aposentadoria, plano de saúde, e o filho também fala inglês. E sim, a corrupção é um mal, que assola nosso país, desde 1500. Não há 12 anos. Mas nunca a polícia investigou, e colocou na cadeia corruptos, corruptores, antes. Inclusive governadores. Quando isso aconteceu antes? Tenho um neto. Desejo um país melhor para ele. Sou favorável à alternância de poder. Faz parte da democracia. Mas, por favor, por um projeto que valha à pena. Que realmente avance nas conquistas alcançadas, e não em um projeto que já foi testado e já sabemos que não privilegia que mais necessita. continuar lendo

A questão que a Laura está colocando é que prender menores não vai adiantar bosta nenhuma, visto que a cadeia forma mais bandidos que ressocializados.
Não que o menor criminoso tenha que ficar impune. A ideia é que não se deixe menores preso com traficantes e aliciadores dentro da mesma cela aprendendo bandidagem.
O Estado tem que ser eficaz na correção e não na punição.
Como corrigir um menor criminoso e ressocializá-lo para que possa ir para casa, estudar, buscar um emprego e sair da vida do crime?
Essa é a pergunta que o estado tem que responder e colocar em prática. continuar lendo

Eu já comentei em outro artigo similar sobre a necessidade de que seja criado um código parapenal, dissociado do ECA e do CP. Basicamente seria um CP temperado com ponderações derivadas do ECA. Não se pode passar a mão na cabeça de quem cerceia as liberdades individuais do próximo, seja assassinando, mutilando, estuprando ou agredindo fisicamente ou psicologicamente.

Uma coisa é furtivamente subtrair o bem de outra pessoa. Isso é o furto costumeiro que ocorre em países da Europa. Lá, há bandidos que ganham a vida só subtraindo bens de turistas e cidadãos distraídos, e não precisam tirar a vida de ninguém. É de se estudar por que isso ocorre lá e não aqui. São tão vulneráveis socialmente como no Brasil, porém a sua prática criminosa se dá pela ação furtiva e praticamente indolor. Não que não ocorram homicídios, mas acontecem em menor quantidade do que aqui ou nos Estados Unidos.

A prisão em lugar algum, nem mesmo na Dinamarca, será capaz de ressocializar todos os presos. O compromisso de ressocializar parte do Estado, que provê meios de ressignificação através de educação, saúde e dignidade, mas também deve partir do detento. Sem uma cooperação entre os dois participantes desse processo, não há ressocialização.

Agora, esse apego à beleza formal do garantismo é preocupante, pois o apego cego e acrítico é tão reducionista quanto outras doutrinas jurídicas mais conservadoras. Na verdade, a doutrina em si não tem esse viés reducionista, mas muitos dos seus defensores tendem a usá-la como um referencial teórico para suas convicções subjacentes. Como resultado, a doutrina se torna refém de quem se beneficia direta ou indiretamente de sua aplicação.

Por exemplo, advogados criminalistas fecham os olhos para as entranhas do garantismo para não entrarem em contradição. Magistrados podem empregar um discurso garantista para evitar futuras responsabilizações - por exemplo, caso um detento seja submetido a um julgamento sumário por outros apenados quando o mesmo ainda está detido preventivamente. Neste sentido, o garantismo pode ser tão preguiçoso como as doutrinas dos regimes totalitários, pois é empregado com a mesma preguiça dos tribunais de exceção.

As liberdades individuais são os direitos mais sagrados que um Estado pode assegurar à sociedade. Há duas formas de garanti-las: (1) evitando que a mão do Estado seja insuportavelmente pesada com uns em comparação a outros - esse é o papel mais comumente assumido pelos garantistas; (2) evitando que o garantismo não acabe por sobrezelar pela integridade do suposto vulnerável em detrimento de uma vítima supostamente menos vulnerável.

É equivocado considerar essa suposição sempre válida. Nem sempre o infrator é mais vulnerável que a vítima. Qual o grau de vulnerabilidade de um estuprador, preso em flagrante, e solto logo depois, por ser réu primário, em relação à vítima do estupro? Quem está em situação maior de vulnerabilidade? Como o garantismo dá conta dessa dicotomia em que, caso o suspeito tenha restrição de liberdade, poderá sofrer um julgamento sumário no presídio, mas caso seja libertado, poderá comprometer a recuperação da vítima (e da sociedade, quando a mesma perde a fé na falsa sensação de ordem que o Estado deve tentar transmitir)? Como resolver isso?

A solução, ao meu ver, está em buscar um garantismo menos preguiçoso. São decisões mais complexas e que envolvem a colaboração de mais agentes públicos (por exemplo, envolvendo polícia, MP, imprensa e terceiro setor de forma a encontrar um presídio ou carceragem que garanta a integridade física do suspeito). Não se pode mais aplicar a doutrina pela metade. A questão da maioridade penal é reflexo desse excesso de zelo preguiçoso. Não há outra forma de ser justo a não ser comprometer-se com as garantias do réu e da vítima. continuar lendo

Não, tudo o que acontece é culpa sua, pois não sou eu que crio crianças para o mundo do crime, e muito menos tenho a obrigação social de educar ou passar a mão na cabeça do crime que eles cometem, esses vulgo, menores de idade, sabe muito bem o que fazem, tanto que são capazes de fazer filho, e até debocham da justiça, pelo mesmo solta-los no dia seguinte ao crime que cometem. Tudo o que se faz, se paga. Quero ver a hora que um menor de idade por a arma na cabeça de um de seus entes queridos e sem qualquer piedade puxar o gatilho, quero ver se você mantem o mesmo pensamento. Idade média... pff... Que pensamento reduzido... continuar lendo

Laura, parece que você puxou a questão e todos estão respondendo ao que você escreveu, então vamos lá.
A questão é muito complexa, mas temos que partir do princípio básico de que deve existir um meio de "coerção" para que um indivíduo respeite o outro na sociedade. Isto é o básico do básico, os nossos direitos vão até onde se inicia o do outro.
A punição nada mais é do que uma maneira de "coagir" os indivíduos para que se comportem de maneira "socialmente aceitável", e o contrário da punição, ou seja, a impunidade, acaba estimulando aos "assistentes" e que percebem que é mais "rentável" e confortável roubar do que trabalhar, a trilhar o caminho mais fácil. É simplesmente a teoria do "reforço positivo ou negativo" de Ivan Pavlov.
É evidente que quando se fala em redução da maioridade penal todas as pessoas que ainda não tenham sido ou tido alguém de sua família "violada", logo "criam uma imagem" de que uma criança que roube um "pirulito" e vai para a cadeia. É obvio que não, o peso da pena sempre será de acordo com o tamanho do crime, portanto, quem irá para a cadeia, e mesmo assim, uma "cadeia especial e mais branda", serão os "mini homicidas" ou "mini estupradores".

Concordo plenamente com a redução da maioridade penal, especialmente porque muitos garotos "assumem" o crime de adultos por se saberem impunes, e ao pretender as "benesses" do bandido chefe, se propõe a assumir o crime por estarem cientes de que nada irá lhes acontecer.
Neste caso estamos deixando de punir um adulto, e a razão é muito simples, a "impunidade" do menor é que propicia tudo isto. Se o menor souber que ao assumir o crime de alguém, responderá por isto, obviamente pensará duas vezes antes de fazê-lo.

Não me sinto nada responsável pelos problemas sociais, uma vez que nasci na periferia e no meio da bandidagem, mas sempre que participava das "reuniões" regadas à baforadas de maconha, já aos 9 anos de idade, ao chegar em casa levava uma boa surra de meus pais, e desta forma parei de frequentar as tais reuniões, elas se tornavam muito dolorosas posteriormente...

Não acredito que governo ou sociedade sejam responsáveis pela educação do indivíduo, esta responsabilidade, na primeira infância especialmente, pertence aos pais, e mais tarde aos professores. Podemos sim, lutar por situações "acessórias" que permitam ao mais pobre "planejar o tamanho de sua família" e dar educação a seus filhos.
O grande problema é que em razão de se proteger as minorias, criam-se regras gerais que acabam dificultando a sociedade como um todo, um exemplo disto é que hoje uma palmada pode incriminar os pais de uma criança rebelde.
Se existem alguns pais "doentes" que agridem violentamente seus filhos, não se justifica criar leis para este pequeno grupo que vá dificultar a vida da grande maioria da sociedade, não dá para ficar legislando para meia dúzia, isto sempre virá em prejuízo da sociedade como um todo...eu fui criado com palmadas e até "cintadas", mas tenho absoluta certeza que meus pais agiram da unica forma possível para me "coagir" a trilhar um bom caminho! continuar lendo

Laura não se trata de vingança e sim de punição porque um menor que comete tais crimes já esta envolvido até o pescoço com maiores que influenciaram em sua formação intelectual, em contra mão parabenizo a lucidez de Ivanil Agostinho que esclarece o sentimento do povo brasileiro, então só existe uma solução que é A É C I O 4 5 ! ! ! ! ! ! ! ! continuar lendo

Quem deseja reduzir a maioridade penal são seres bestiais que propagam a vingança e se possível a "pena capital"..
Ivanil Agostinho com o tosco argumento de "Diga isso para os pais do menino João Hélio (apenas 6 anos de idade!) que foi arrastado por 7 Km por um"di menó"de 16", mostra-nos como os desejosos da maioridade penal não estão preocupados com justiça , mas, com vingança. continuar lendo

Concordo plenamente com sua colocação, todo projeto de governos é tudo fogo de palha, começa e nenhum é permanente, a maioridade penal é um tiro pelas culatras, a maioria dos jovens são passiveis de tolerância, 1% são rebeldes irrecuperáveis é só colocá-los em quarteis e vigiá-los 24 horas com atividades de ordem disciplinadoras, que dentro de 03 anos os mesmos se enquadrarão na ordem e respeito , se generalizarmos com a repressão policial inadequada produziremos mais criminosos. continuar lendo

Ivanil Agostinho, no caso de Champinha, que é um psicopata, aplicar-lhe uma pena restritiva de liberdade de 30 anos ia resolver o quê? Vingança para a família?

O sistema prisional não leva em conta conhecimentos das ciências que estudam o comportamento humano ao dispor de medidas para a reinserção social. Isso é reflexo da falta de preparo dos legisladores.

A psicopatia é um transtorno sem cura e se manifesta em qualquer idade.

A questão não passa por redução de maioridade penal, mas sim em elaborar penas que condizem com a realidade, e não imaginar uma utopia e tentar implantá-la numa sociedade sem recursos.

Atualmente, que temos uma tecnologia capaz de fazer coisas inimagináveis a tempos atrás, pensar que a única coisa que o Direito é capaz de fazer em relação a crimes é aplicar pena restritiva de liberdade indiscriminadamente aos criminosos, algo que existe desde a Antiguidade, é no mínimo anacrônico. continuar lendo

Me perdoe Laura o seu raciocínio é errado posto que, punição nunca foi vingança e sim apenas punição, nada mais do que isto, pelo descumprimento da lei, por favor não "doure a pílula. Quanto mais branda a punição maior será o aumento da criminalidade isto é tão claro como a nossa existência.
Quem pensa assim é a quase totalidade das pessoas de bom senso. Assim, a maioria está certa e não a senhora. É demagogia dizer que a culpa é da sociedade temos milhares de crianças, pobres, negras que cometeram crimes quando criança e que mudaram de vida e transformaram a sua vida, tenho conhecidos nesta situação e dois são juízes. continuar lendo

Só digo uma coisa cadeia na Noruega é melhor que hotel de luxo no Brasil.
Lá sobra vaga e aqui falta.
A taxa de reincidência criminal lá é de menos de 15%,no Brasil mais de 70%.
Nos EUA que tem um sistema com a mesma filosofia que o nosso, a filosofia da vingança, a taxa é de 50%.

E agente ainda tá certo, ignorância pura. continuar lendo

VALEU IVANIL !!! O nosso grande problema é que ninguem fala a verdade , todos são politicamente corretos... Até que acontece com um dos nossos ...Nos EUA há prisão perpetua para crianças e tb pena de morte para adultos e nem por isso eles não estão no 1º mundo , tentam balizar atitudes em outros países, etc.. Hipocrisia pura . Quero que morram , que pastem no inferno!!! Perdão deixo para DEUS . Direitos Humanos para Humanos Direitos. continuar lendo

O povo não tem culpa nenhuma de ser ignorante, como alguém aqui afirma. Tem culpa sim quem se locupleta com os recursos subtraídos da educação para fazer "grandes obras" e assim gerar "30%" de caixa dois, que vai realimentar as campanhas eleitorais, comprando a imprensa (afinal, ela "não é de ferro") perpetuando um ciclo pernóstico. Tem culpa quem se locupleta com o dinheiro que não é aplicado na saúde, com a desculpa de que "faltam verbas", mas, que sangram para um tal BNDS, que deveria se chamar de "BENESSES" para alguns privilegiados, que extorquem seus usuários desde trocados dos pequenos até quinhões dos maiores. Tem culpa sim que participa dessas maracutaias e bem sabe delas, mas, se cala esperando cair alguma migalha no chão...

Deveria ser crime contra a segurança nacional deixar de investir em educação de qualidade, desde no professor, no aluno e na estrutura física. Desinvestindo na educação, nos torna mais vulneráveis a outros países que fazem o contrário; criando gerações de néscios, que vão votar a troco de uma "sandália havaiana"... Não conhecem respeito a si, nem a outrem; mas acreditam em "papai Noel" e votam se o candidato está bem "cotado", mesmo que falsamente, para poder jactar que ganhou a eleição...

Falta muito ainda para aprendermos o que seja ser "gente"... continuar lendo

Sinceramente eu acredito que deve-se mudar a maior idade penal sim. Devido ao fato da impunidade atrair muitos jovens à criminalidade.

Mas desejo resaltar que fazer isso é inútil se não se alterar o quadro do sistema carcerário brasileiro.

Veja esta reportagem
http://oglobo.globo.com/brasil/apesar-do-deficit-de-mais-de-200-mil-vagas-fundo-penitenciario-tem-1-bi-em-caixa-11312506

Além disso é de suma importância melhorar o sistema de ensino brasileiro. O qual é apaixonado por números e se importa muito pouco com qualidade. Não valorizar os profissionais da educação tornando a profissão extremamente não atrativa. Uma profissão que está tão desvalorizada que, mesmo com as melhoras conquistadas, ainda está longe de uma valorização real (é importante dizer que não é só uma questão de salário)

http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/salarios-de-professores-melhoram-mas-magisterio-atrai-menos-jovens-11210310

A solução, a longo prazo, está em dar uma boa educação aos jovens. continuar lendo

O Aécio não defende a redução da maioridade penal da forma genérica e simplista como insinua o autor do texto e a MAV do PT fazendo campanha política nesse sítio.
Além de a tese se referir a crimes gravíssimos, a faixa da idade seria para os que não se submetem ao domínio da família e do Estado.
A propósito, antes de se estabelecer o que deva ser objeto de preocupação de um presidente, argumento retrógrado do Lula, não se pode perder de vista que uma coisa não exclui a outra. continuar lendo

Infelizmente o ser humano só aprende as coisas na dor!!! Tudo que é bom, dado com carinho e paciência, o ser humano caça para essas coisas, e não dar o devido valor.

Aqui a redução da maioridade penal a maioria é a favor!!!
Então que se faça valer a vontade de todos, hoje pelo que tenho visto pelas ruas, e histórias de menores com 12 anos fazendo sexo e usando drogas, tenho minha humilde conclusão que menores de idade mesmo são só abaixo de 10 anos, porque acima disso os moleques já curtem a vida errada de muita gente grande!!! continuar lendo

Vocês leram a seguinte matéria: http://wagnerfrancesco.jusbrasil.com.br/artigos/122185496/direito-penaledireitos-humanosalucidez-do-papa-francisco, pois é, o Wagner, no meu entendimento tem toda razão. continuar lendo

Cara MAV Laura,

Eu penso diferente de você e dos outros na sociedade, educo meus filhos diferente de você, e dos outros na sociedade (afinal creio eu que "ainda" na minha casa mando EU). Aí você vem me dizer que a culpa é nossa? Me desculpe, mas para isso vamos todos morar juntos e criar nossos filhos juntos, com os mesmos valores, aí sim você poderá me dizer que a culpa é nossa.

Mas enquanto isso não acontece, vou criando meus filhos com meus valores, pois planejei antes de eles virem ao mundo, diferentemente dos ditos "filhos vítimas" da sociedade. E se meu filho cometer algum erro, ele com certeza irá pagar, e eu não colocarei a culpa em você ou nos outros, ela será colocada no meu filho, e no máximo (bem no máximo) em mim mesmo também.

E isso sem eu argumentar com os velhos clichês, de "quero ver defendê-los quando invadirem sua casa armados, e abusar de você, de sua filha e ainda atirarem contra seu marido e blá blá blá..."

"A prisão não prende" foi ótima btw... continuar lendo

Comentários sensacionalistas não funcionam, não adianta ficar citando crimes terríveis com a finalidade de comover o leitor, vão fazer isso no Brasil Urgente.

Quanto à frase "a prisão não prende", já que muita gente tá com problema de compreender, eu vou explicar... acho que não é novidade para ninguém o fato de que, mesmo "presos", muitos detentos comandam o tráfico de dentro das cadeias.

Tô vendo aqui muita gente com intenção para expor os colegas ao ridículo, o que muitas das vezes é feito com total ignorância. Foi querer "expor" e acabou escorregando na interpretação, mas... enfim.

E no tocante à assertiva "a culpa é nossa", nada mais justo, não estou individualizando condutas, mas a totalidade de indivíduos, a sociedade em si... que não sabe votar e vai na onda da mídia para eleger o "candidato" do momento, estamos vivendo isso hoje.

No mais, como já referi, comentários como o do Francisco Amorim, do Rafael de Souza entre tantos outros, são muito bem vindos, já os sensacionalistas... estes dão até sono.

Não sou contra a menoridade para os "di menor" continuarem impunes, e sim porque isso não vai resolver o problema e só vai iludir. continuar lendo

Eu não sei o tipo de vida que a senhora leva. Mas eu já estou LUTANDO contra toda desmoralização global que o nosso mundo está sofrendo.

Reveja os seus valores. continuar lendo

Vou fazer apenas algumas observações:
1- quem esta falando que é a favor da redução na maioridade penal, também esta de acordo que as crianças e adolescentes a praticarem estes atos:
a) dirigir habilitado, fazer concurso pra ser policial, poder ser candidatar a todos os cargos políticos, e ainda ser nomeado a Ministro do STF, pois se os senhores acreditam que as crianças podem sofrer essas atrocidades ora almejadas por vós, então em respeito ao principio da igualdade, eles também tem direito de exercer qualquer outro direito como se adultos fossem...........

b)É lastimável a opinião dos senhores em querer menoridade penal, quando deveriam era reivindicar por mais educação, segurança e humanidade, ou seja igualdade.

obs; não estou querendo ofendê-los, mas creio que este é oséculo de uma revolução sábia e não retrograda com as anteriores que nõa rendeu fruto algum, anão ser a utopia de democracia de 1988.

Um abraço a todos e que lutemos por um mundo mais justo e com uma educação plausível.

AF!!!! continuar lendo

Srª Laura,

Em parte, lhe cabe razão em dizer que não se sabe ao certo qual seria a idade ideal para a responsabilidade penal. A questão me parece muito mais complexa. A simples redução da idade penal para 16 anos só provocaria de imediato, o aumento da população carcerária, o que não é de todo ruim, desde que se reforme também o sistema prisional. Onde estão as garantias preconizadas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Nada se fez para implementar a prevenção do menor no mundo do crime. O que temos hoje, são "monstros" praticando todo tipo de crime hediondos e sem nenhuma punição. Temos que ser no mínimo solidários com as milhares e milhares de vítimas do "de menor" que assumem até crimes que não cometeram sabendo-se de sua inimputabilidade. Como está não pode ficar.
Alguma coisa institucionalizada precisa ser feita para por fim a essa barbárie que vitimiza toda a sociedade Brasileira. Pensar apenas nos que já delinquiram é muito pouco. Precisamos pensar nos que estão propensos a ter o mesmo destino, as crianças que caminham nessa mesma direção. É por isso que defendo a redução da maior idade penal, já|||| continuar lendo

É mesmo?!

A sua luta é a mentalidade da política carcerária atual?

Vamos supor que há 10 anos, a maioridade penal era de 20 anos, e a gente esteva, lembre-se, há dez anos, discutindo sobre uma possível redução para 18, com o argumento de que coibiria os menores (19 anos para baixo) de praticarem crimes, bem como eles seriam devidamente punidos.

Discussão vai, discussão vem, e até que a redução maioridade foi adotada.

Dez anos depois, hoje, estamos querendo colher os bons frutos das ações e medidas "inteligentes" feitas no passado. Que tipo de fruto a gente vai colher?

Os menores de 20 anos param de cometer crimes? Estão sendo devidamente punidos?

Eu "acho" (não, é evidenciado mesmo) que não.

A questão é essa... eu não sou contra a maioridade porque eu sou a favor do "criminoso", eu sinto também medo, também sinto insegurança, também tenho família igual a todos vocês... eu só não sou a favor da redução da maioridade penal porque é apenas mais uma medida "populista" para tentar conter sociedade em sua sede de mudança.

Menos de 1% dos crimes são cometidos por menores (segundo dados do Min. da Justiça).

Quanto à desmoralização global, daí já não posso falar, não sou nem de perto exemplo do que é ser moral o tempo todo. Ninguém o é.

Desestimular a prática de crimes não se faz reduzindo a maioridade penal, se faz regulamentando práticas e trazendo ao bojo do estado as discussões acerca de várias questões que hoje são tabus, questões legitimadas pelas teorias proibicionistas e hipócritas.

Gestão inteligente e eficaz... mas não vão fazer isso. O terror dá dinheiro e, pelo jeito, também compra votos. continuar lendo

Sr. Ivanil Agostinho,

1º O senhor quanto o o Governo (Brasil) gasta com um presidiário? e quanto é gasto com uma Aluno /Estudante? então,....faça a comparação e diga se faz sentido investir tanto dinheiro onde não gera fruto algum.....?

um braço e reflita!!! continuar lendo

Laura,
Se as cadeias não são o que deveriam ser é culpa dos bandidos políticos...dos bandidos de toga....dos bandidos corruptores e da mídia famigerada..
Veja que em qualquer país sério não tem crime organizado dentro dos presídios comandando verdadeira milícias urbanas....
Eles não tem sobrecarga na rede elétrica devido ao grande número de eletrodomésticos dentro das celas como aconteceu em Roraima....

Ridículo termos um "cardozinho" na gestão das injustiças brasileiras e você vem querer que tenhamos pena dos que cometem crimes hediondos?????
Acorda!!!
vai morar na china. continuar lendo

Sr. Nando Campos disse
"Sr. Ivanil Agostinho,
1º O senhor quanto o o Governo (Brasil) gasta com um presidiário? e quanto é gasto com uma Aluno /Estudante? então,....faça a comparação e diga se faz sentido investir tanto dinheiro onde não gera fruto algum.....?"

Uma coisa não exclui a outra. Tanto a Educação como a Segurança Pública são deveres do Estado.

Sabe como seria mais justo equilibrar essa conta? Os presidiários deveriam trabalhar no presídio para pagar o que comem, o que vestem, enfim, o que custam para a sociedade (Governo não gera dinheiro do nada. Vem dos nossos impostos). Os presos poderiam, inclusive, trabalharem fazendo móveis escolares para as inúmeras escolas em condições de precariedade no país.

Escola é lugar para se aprender. Prisão é lugar para purgar a dívida para com a sociedade.

E pra encerrar, quando se fala em Educação, precisa-se, também, urgentemente, pararmos com essa inversão de valores. Hoje, em muitas escolas, alunos agridem alunos e professores (e ainda filma e postam na Internet).
Não basta estar na escola, tem que ser educado de verdade. E educação vai muito além das matérias curriculares. Tem que RE-ensinar essa geração a respeitar os pais, os professores, os mais velhos, os demais colegas, etc. continuar lendo

Laura, no dia 26/10, eu e milhões de brasileiros que querem mudanças reais na sociedade, vamos dar uma resposta sensacional nas urnas, a você e a todos que pensam como você que, certamente (pela tua fala), votou 50 (PSOL) no primeiro turno:

4 5 E CONFIRMO! continuar lendo

O fato é que os governos vem e vão e NENHUM resolve o grave problema que são; superlotação das prisões e Fundação Casa.Por que não se faz em anexo a prisão ou fundação Casa, escola e Fábrica para que os detentos trabalhem e estudem nesses locais? Porque o governo não usa o Pronatec, tão alardeado pela pres.Dilma ? Que se faça uma unidade das Escolas Técnicas em cada Fundação Casa e prisão desse país, e os detentos, tantos "menores" como maiores, não terão tempo ocioso para ficar preparando novas técnicas para roubar e/ou matar seu semelhante.Garanto que trabalhando e estudando, a regeneração será em numero muito maior do que acontece hoje.
Em tempos idos, tinhamos no interior de São Paulo a Prisão agrícola de Baurú onde os presos plantavam e colhiam alimentos, e com isso a média de recupéração era alta, basta boa vontade dos governos sem que seja preciso redução de maioridade. continuar lendo

Laura, sou contra sua posição. Nem preciso argumentar. Muitos já fizeram. continuar lendo

Então porque não aumentamos a maioridade penal para 21 de uma vez? Ou 25, 30? Assim não seriam "facilmente influenciados" pelo crime que os cerca.

A redução está longe de ser a soluçao ideal para todos os problemas da violência, porém é inadmissível que a coisa continue do jeito que está. Um jovem de 15 anos raramente fará o que um de 18 é capaz de fazer. Além de a reabilitação ser muito mais fácil quanto mais jovem for.. continuar lendo

Laura
O Sr. Wagner Francesco está errado e a própria experiência descrita demonstrou isto, quando afirma que a falta de punição adequada, que lhe desse a oportunidade de recuperação, o tornou um criminoso de 31 anos e 10 meses de reclusão, erra também ao acreditar que basta reduzir as desigualdades, nunca tivemos uma desigualdade tão baixa e nunca tivemos uma criminalidade tão alta, nossos jovens e crianças nunca estiveram tão protegidos como depois da aprovação do ECA, contudo jamais tivemos uma criminalidade tão alta nesta faixa de idade.
O Sr. Wagner cita os países ricos, que em verdade tem criminalidade infinitamente menor que a nossa e, seus números para a criminalidade juvenil são ainda melhores, contudo estes resultados foram alcançados pelo fato de que nunca foram coniventes ou passaram as mãos na cabeça de criminosos, seja lá qual forem suas idades. Algumas vezes erraram pelo excesso jamais por omissão. Pessoas como o teólogo são convencidas desta falácia por atuação dos defensores dos direitos humanos.
O que os defensores dos "direitos humanos" esquecem é que basta um criminoso solto para infelicitar e colocar em risco a muitos, quase todos, pessoas de bem e que têm dependentes materiais ou emocionais.
Defendem o mal de maneira inconsequente, sem jamais dar apoio às vítimas e suas famílias e, pior, sem se arrepender das desgraças que ajudaram a impingir sobre gente honesta que, na maioria dos casos, é tão pobre quanto os criminosos. Que adjetivo poderíamos aplicar a gente que age desta maneira? continuar lendo

Reinaldo, mostre-me que as taxas de criminalidade entre os menores de idade estão tão altas.

Segundo dados oficiais do Ministério da Justiça, menos de 1% dos crimes são cometidos por menores de idade.

O que acontece é o apelo midiático em cima da questão. Se formos guiados pela mídia, que na maioria das vezes relata sem qualquer entendimento no assunto, vamos viver na base da mentira.

Engraçado falarem tanto dos escândalos do PT, enquanto, do outro lado, o PSDB participa da mesma robalheira, os dois são da mesma corja. Enquanto o JN veicula mais de 500 notícias desfavoráveis ao PT, não chegaram a veicular sequer 200 para o PSDB, (saiu uma pesquisa nesse sentido), vou procurar melhor e lhe trazer a fonte, se eu achar de novo.

O que a gente vê é uma sociedade que adora pegar o embalo da batida. Acontece com a legalização das drogas e do aborto, acontece com a política, acontece com as questões internacionais.

Há um tempo atrás estavam veiculando que, diante da crise entre a Rússia e a Ucrânia, algumas sanções internacionais foram impostas pelos EUA à Rússia, e que estas beneficiariam as exportações de alimentos produzidos no Brasil.
Ou seja, diante da sanção internacional, a exportação de carnes, por exemplo, que era feita dos EUA para a Rússia, estava bloqueada. E lá vem a mídia para achar isso lindo, veicular que beneficiaria o Brasil, e não sei o que... eu quero ver onde isso beneficiou o Brasil se o próprio preço da carne, hoje, subiu com a inflação.
Acho que beneficiou os partidos do PSDB e PT, porque a JBS (dona da Friboi, um dos frigoríficos mais ricos do mundo, e também campeão de Inquéritos Civis por descumprimento da legislação laborativa instaurados pelo Ministério Público do Trabalho, e Ações Executórias advindas, sobretudo, do inadimplemento dos acordos firmados em sede extra-judicial com o mesmo órgão, MPT) "doou" 5 milhões para cada um só para financiar campanhas eleitoreiras.

Sem querer adentrar em um mérito que não é o de questão, mas só para corroborar a ideia de que o brasileiro vai na onda do 4º poder, a mídia.

A mídia que fala de menoridade/maioridade penais, pena de morte, aborto, sem sequer ler quaisquer estudos que justificam a sua aplicabilidade e/ou ineficiência da gestão atual.

Brasileiro carece de crítica, e acha que tudo vai se resolver com medidas aristocráticas, estavam até querendo a volta dos militares ao poder... é para rir mesmo.

Mas enfim, muito bom seu comentário, sem qualquer ideia apelativa e sensacionalista...

Eu entendo que a sociedade está insegura, que a delinquência é alta... mas, isso vai continuar enquanto não tomarmos medidas eficazes no combate à violência.

Reduzir a maioridade penal não vai adiantar...
Suporemos que, há 20 anos, a maioridade era 20. Discussão vai e discussão vem, e foi adotada redução da maioridade para 18.

Vinte anos depois, com a finalidade de colher os frutos da medida adotada... o que teremos?
Uma nova discussão para abaixar a menoridade para 16?!

É apenas o que eu vejo, uma medida que vai, além de cansar a sociedade, iludí-la.

Abraços. continuar lendo

Laura. Porque vc se sente culpada? Está mais que provado que a culpa não é nossa. Mas sim, dos governos e políticos que só pensam em se arrumar. Nos Estados Unidos e outros países a maioridade penal é a partir dos 10 anos. E, lá, ninguém se culpa por isso. Só que lá existe uma maior preocupação em se cuidar da garotada. VIDE O PROGRAMA TRATAMENTO DE CHOQUE. Quando nossos políticos pensarem realmente em programas sociais que que ocupe, efetivamente, o tempo dos nossos jovens e adolescentes e pura e simplesmente em se perpetuarem no poder, certamente, tais problemas serão ao menos amenizados. Que Deus nos ilumine na reta final dessa eleição e nas próximas. continuar lendo

Por favor!!! Como um "menor" de 16 anos, pode votar e não responder por um crime? Se mata, não tem consciência do que está fazendo? Não estou dizendo que a redução da maioridade penal irá resolver o problema todo, mas vai resolver um problema, que é: a sensação de impunidade, sensação de ver o assassino de um ente querido, ficar livre, pois não consideram que tenha idade o suficiente pra ir pra cadeia!!! Acho que é por isso que dizem, que só sabe quem passa, e por isso que tem muita gente falando bobeira sem propriedade nenhuma! Sinto muito, mas não consigo ver, como uma pessoa de bem, bem nascida ou não, com boas oportunidades ou não, mas que tenha CARÁTER, peito pra correr atrás do sustento, sem assaltar nem matar ninguém...não entendo como esses podem ter essa culpa que a senhora está dizendo! Desculpe, mas a culpa não é do povo de bem. continuar lendo

A culpa é do governo mas a culpa não é nossa?

A gente é quem escolhe os nossos governantes, minha gente! continuar lendo

Ivanil Agostinho, a lei não iria retroagir para prender esses menores. E se ela existisse antes, o que lhe garante que eles seriam presos? E o pior: o que lhes garante que eles não iriam cometer estes crimes?
A base de um país sem violência é a educação...nos preocupamos DEMAIS em prender mas NUNCA em educar de forma pretérita (ou, ao menos, tentar reeducar). E assim, mais crimes são cometidos... continuar lendo

Laura, foi um prazer ler seus comentários ao tema. Realmente muito difícil encontrar alguém aqui no Jus Brasil que foi estudar o assunto antes de desferir senso comum em comentários clichês. Aposto que você estuda Direito e está nesse momento voltada para a área de Criminologia Crítica (porque seu pensamento é absolutamente similar ao meu, e eu só o adquiri depois de ler autores de Criminologia Crítica). Por favor, se tens bons artigos ai sobre o assunto pode me enviar o link? continuar lendo

Pessoas citando a suposta tendência internacional de redução de maioridade penal... Citando, inclusive, países como os EUA (como se fosse exemplo a ser citado), mas enfim, acredito que terei de desmentir-lhes. Na realidade, a tendência é justamente a contrária, principalmente nos principais países da Europa, o continente considerado mais civilizado por muitos (embora eu nem queira entrar no mérito dessa suposta civilidade).

MP do Paraná divulgou há um tempo uma tabela comparativa elaborada pela Unicef. Da tabela evidencia-se o quão ilusório é o argumento de que muitos países adotam a maioridade penal para menos de 18 anos.

Pelo contrário, em muitos países, é de 19, 21 anos.

Pesquisem mais, tá?!

Fernando, obrigada pelo comentário, muito bom saber que não sou só eu que milita contrariamente à ilusão da redução da maioridade penal. continuar lendo

Sou plenamente a favor da redução da maioridade penal, isso por vê que muitos dos jovens que estão no crime se utilizam do fator "menoridade" para cometer crimes que desestruturam uma família por inteiro. As familias que tiveram suas vidas mudadas em face de um crime cometido por um menor podem dizer melhor do que eu, afinal de contas nunca enfrentei uma situação como esta, porém é preciso entender que o fato de ser menor não pode ser prerrogativa para "passar a mãe na cabeça" desses jovens...obviamente que reduzir a maioridade penal em si não configura a solução do problema no todo, visto que Estado tem sido falho em promover politicar voltadas à plena ressocialização dos menores infratores, e nós como pais, muitas vezes, temos deixado a desejar, no tocante à criação dos nossos filhos, porém vejo que a punição, oriunda da redução da maioridade penal poderá inibir que esses jovens comentam crimes. Reafirmo: não é a solução plena, mais vejo que pode ajudar. continuar lendo

Muito bom Reinaldo.

Infelizmente nós Brasileiros estamos dando valor a tantas coisas banais, que se esquecemos do que é justo e correto.
Mas repito, vamos tirar exemplos de nossos Pais e Avós, hoje perdemos o valor das coisas, por essa razão tudo esta invertido, não se sabem mais o que é certo ou errado, e quem é quem.
Na minha infância, eu pagava pelos meus erros, e meus Pais eram resposáveis pelas minhas ações e também arcavam com isso.
Hoje não! os Pais não estão nem ai, as vezes fazem parte ou até mesmo sabe lá onde estão, devem sim responder por isso tb!, em vez de alguns ainda ficarem recebendo benefícios tirados daqueles que lutam muito pela vida, família e ainda pagam a conta por isso.
Hoje levo minha família com essa criação e vejo que funciona muito bem. continuar lendo

Se a redução da maioridade penal fosse inibir a prática de crimes por parte dos menores, o mesmo aconteceria com os maiores de 18 anos... e isso ocorre?

Se a criminalização inibisse qualquer prática, cadeias não estariam superlotadas e a reincidência não seria tão alta.

Acontece que a mídia faz um descalabro quando se trata de crimes praticados por menores de tal modo que a gente imagina que a prática de crimes, em sua maioria, é por autoria de menores... o que não é verdade, pois a prática de crimes por menores de idade, segundo dados do próprio Min. da Justiça, não chega a 1% do total.

No mais, um dos crimes mais praticados por menores é o tráfico de drogas, o que se traduz, principalmente, que os jovens estão sendo recrutados como "mulas"... os menores nunca são os mandantes ou chefes do tráfico.

E aí se a gente reduz para 16 anos de idade, vão recrutar os de 14 anos, e aí a gente reduz de novo, e aí recrutam os de 12 anos.

A redução da maioridade penal de nada adiantaria para solucionar o problema da violência social ou, tampouco, ressocializaria o menor, visto que a sua inserção no sistema carcerário é bem mais temeroso do que benéfico.

A mentalidade de que "proibir" é "inibir" não funciona em uma sociedade hipócrita como a nossa.

Vejamos quantas práticas são ilegais, entretanto, são largamente utilizadas. continuar lendo

Descordo com você Renildo , eu sei que todos estamos com medo de passear na rua , pagamos mensalidades de seguro para nossas casas e caros. Acredito tbm que um moleque de 15,16, enfim tem plena consciência do que está fazendo, porém será mesmo que prender esses meninos seria a solução?? Temos que resolver os problemas começando pela causa, então bora colocar escola em tempo integral, ou trabalhar o dia inteiro, ter cultura, afinal eles são apenas meninos... Basta olhar os números a cadeia é uma fábrica de fazer que o criminoso volte ao crime continuar lendo

Sabe o que eu acho interessante em tudo isto?

É que os "Garotos" nunca escolhem o lado bom.

Se eles são aliciados para o mal, "coitados", são inocentes, mas espere ai,
e se alguém os "aliciasse" para o bem, não teriam eles a mesma capacidade para fazer tal julgamento e escolher também o bem?

E todos eles sabem disso, os jornais escritos estão ai, mostrando imagens de jovens sendo destroçados por "brincadeira" dando experiências aos outros, a TV está ai, mostrando todo dia, a violência que se propaga cada vez mais, ora sendo assim, tenho plena convicção de quanto é mal seguir este caminho.
Porque não sigo os bons conselhos e só quero seguir os mal conselhos?

Quer dizer que se alguém diz, faça isto, ou faça assim, pois isto é o BEM, ai não faço porque vão me chamar de "careta" e fazer o BEM, faz mal para mim.
Mas se alguém diz: Vamos traficar, Vamos matar que teremos mulheres, depravações, carrões, Ai faço, e porque faço?
Ora, quem decidiu? O mesmo poder e a mesma capacidade de escolha, tanto para uma situação como para a outra não é o mesmo?

Já que tenho a mesma responsabilidade quando escolho um lado, devo ter também a mesma responsabilidade quando escolho o outro lado.

Porque é que só escolho o mal quando é para ter a oportunidade de "pegar as minas" e para comprar um "carango"?, não seria este mal um suposto "bem"? então neste caso escolhi o mal porque tenho dele o conceito do BEM e sendo assim, demonstro que tenho plena consciência de quanto BEM me faz escolher O MAL e se escolhi este MAL como um "BEM" só para mim, tenho plena consciência do que estou fazendo e este Bem para Mim é um mal para os outros, neste caso, não estou sendo sociável, estou infringindo regras, então devo pagar por isso.

Parece-me que ajudar o próximo causa-nos asco, angustia, sofrimento, Mas praticar o crime, derrubar os outros, traficar, roubar, matar, aliciar, desviar, parece-me que é isto que nos dá o maior prazer.
Ou seja, O MAL, virtualmente se transforma NO BEM, enquanto que o BEM é visto por nós como a própria encarnação DO MAL.

Já dizia, com bastante coerência, o Apostolo Paulo, o seguinte:
"Porque que o Bem que quero fazer, não faço, mas O MAL que não quero esse eu faço?

Eis ai a grande problemática Humana.
Ainda dizem que a filosofia Cristã não passa de uma reles religião.

Incautos e indoutos, a Filosofia Cristã é a unica que trata com coerência da problemática humana. Pois na verdadeira filosofia Cristã encontra-se a resposta para todos os males do homem. continuar lendo

Desculpem minha ignorância, mas sinceramente, não sei qual o propósito do texto acima. Se trata de um resumo biográfico de alguém que saiu do mundo do crime e hoje tenta recuperar menores infratores, ou uma mensagem de cunho sentimental que tenta fomentar a compaixão pelos "pequenos" delinquentes com apelos emocionais? Apesar do cunho emotivo, entendo que abordagens sobre tal assunto devam ser norteadas pela racionalidade e respaldadas pelo estudo psicológico de cada infrator. Pode ser utópico, mas deveria ser assim. Infelizmente nós tendemos fundamentar nossas opiniões nas experiências pessoais, geralmente ignorando toda diversidade ou a adversidade de cenários que a vida brinda a cada um. No meu humilde entender, o autor se equivoca ao querer comparar sua marginalidade com a de outros menores. Cada caso é um caso. Nossa existência é absolutamente individual. Não quero afirmar que o autor não tenha seus méritos por conseguir se livrar da criminalidade, mas estabelecer paralelos dessa natureza é algo tão incoerente, quanto ilusório. Ora, muitas vezes, dentro de uma mesma família, digamos remediada, e partindo do pressuposto que todos tiveram acesso a mesma educação, não é raro ver algum filho descambar para a bandidagem, trazendo dor e sofrimento aos parentes; imagine então num universo de famílias desamparadas, oprimidas pela fome e pela miséria, numa situação de risco social onde os pequenos tem poucas perspectivas de melhorias na vida. Se considerarmos ainda que autor voltou a "Fundação Casa", "depois de 45 anos", é natural que ele tenha pelo ao menos 50 anos de vida, nessa época o mundo era digamos mais "romântico", o tráfico não campeava pelas favelas como hoje e sequer existia a maldição do "crack". Televisão era luxo e a publicidade era mais tacanha, não incitava o consumismo, a ostentação e a ambição desenfreada pelos produtos da moda, como ocorre agora. Épocas diferentes, vivências diferentes. Perdido em meu lirismo, espero que autor continue empenhado em sua missão, e que nossos governos cumpram sua responsabilidade social com os mais necessitados, mas lamentavelmente ainda não consegui esquecer o fato de ter um perdido um primo; foi assassinado por um desses "frágeis" menores. continuar lendo

Roberto, desculpe discordar de sua ideia de que se "não existem casas prisionais decentes nem para adultos, onde colocar este novo contingente?".

Não podemos, em razão do descaso governamental com o sistema prisional, simplesmente ignorar que este "novo contingente" exista. Quer dizer então que se um leão estiver vindo em minha direção com o intuito de me devorar, basta que eu "faça de contas" que ele não existe e nada me acontecerá?

Todos que falam em "vingança" esquecem-se de que a punição tem como "princípio básico" a extinção do comportamento indesejado de um determinado indivíduo, e como o ser humano não só aprende na base da "tentativa e erro", mas também aprende com a experiencia alheia, a punição de um também servirá de "alerta" para outros indivíduos. continuar lendo

A proposta de Aécio Neves para redução da maioridade penal para 16 anos é apenas para crimes de latrocínio e homicídio.
O texto deveria ser mais honesto em não omitir isso.

O seu texto diz: "São garotos que trabalham de carregadores, ajudantes gerais e serventes de pedreiros. Não são registrados e ganham uma mixaria que, ao fim do mês, só paga as dívidas."
Ah, então quer dizer que ser jovem, pobre e ganhar pouco em um trabalho honesto é motivo para um adolescente escolher a vida do crime?
Comecei a trabalhar aos 16 anos, ganhava um salário mínimo, nem por isso escolhi a vida do crime. Antes, escolhi estudar e trabalhar duro para conseguir me sustentar.

A violência explode a cada dia em função da grande impunidade existente, principalmente para os "di menó" que sabem que podem fazer o que bem entendem porque a lei os protege.
Veja o caso do "bebezinho" de 17 anos (faltava 1 dia para completar 18) que matou, a sangue frio, a ex-namorada de 14 com um tiro no olho.
É justo um psicopata de 17 anos, que sabe bem o que faz, mesmo após ter cometido um homicídio, saia com a ficha limpinha e pode até trabalhar como segurança de uma creche?
E a menina de 14 anos (também uma menor) que agora está morta? Quem lutou pelos direitos dela?

Bem se vê que o autor do texto é fã de Marx. continuar lendo

Parabéns Ivanil.

Porque quem apoia a criminalidade e desvaloriza as pessoas de bem que lutam por uma vida digna com muiito sacrificio e sem oportunidades, é porque de certa forma tem algum envolvimento. continuar lendo

Eu tenho a solução, eu e o Desembargador conforme o link abaixo

http://www1.folha.uol.com.br/paineldoleitor/2014/01/1395677-desembargador-critica-defensores-dos-direitos-humanos.shtml

Todas as pessoas que defendem vagabundo querendo que eles melhorem certamente ainda não tiveram a experiência de ter um em casa, dai que se adotarem um safado destes talvez mudem de ideia.

E cadeia não deveria ter sociedade com ressocialização, ora, deveria ter com castigo, coima (multa imposta a dono de animal que pasta em propriedade alheia), condenação, corretivo, lição, penalidade, repreensão, sanção, martírio, penitência, sacrifício, sofrimento, suplício, flagelo, vara, ira, vingança, disciplina, preço escovadela...

O cara arranca a cabeça de outro adolescente na cadeia, estupra idosa, rouba do trabalhador, estupra meninas e as mata, queima índio e morador de rua e vem esta gente avacalhada, desculpe a ira e quer "ressocializar" o condenado. Isso é impossível. Isso é impossível.

Quem quer ser bom pode até dar uma varana n'água todavia levanta a cabeça, mas o marginal gosta de ser assim e tem um séquito de gente conivente que não tem o que fazer vai ficar dando apoio logística para eles destruírem os inocentes.

Cadeia e semelhantes é um lugar onde não se vai nem pra fazer faxina, os presos que o façam, eles tem mãos e pés como qualquer outro e podem limpar-se, o cara sai de lá e tem coragem de ir visitar com dó de vagabundos. A cadeia é onde vai a pior espécie de ser humano que tem no mundo, lugar de toda impiedade e atrocidade e as pessoas quando estão sem problemas na vida arranjam um tempinho para rodear porta de morada de tudo o que é imundícia. É o que penso. continuar lendo

David, ótima solução proposta pelo desembargador! continuar lendo

Ivanil Agostinho concordo plenamente com a sua colocação. É muito fácil afirmar que dito pensamento está errado e omitir o texto integral. Acredito que este local tem por finalidade expressar idéias e opiniões e não para demonstrar apoio a qualquer candidato. Menores que cometem homicídio e latrocínio merecem ser penalizados com todo rigor, afinal beijar na boca e fazer filho todo mundo já sabe o que é ... matar, não? Quanta ingenuidade!!!
O debate sempre é válido. Defender ou não a redução é direito de cada um. Eu sou totalmente favorável. Nos bons tempos em que a educação era mais rigorosa não eram criados tantos bandidos, viciados e vagabundos. Além disso, não se fala aqui em "prender pobres" ... a redução é pela idade e não pela classe social. Na minha opinião 14 seria o ideal. continuar lendo

Como já disse: querem generalizar e dizer que todo pobre tende a ser bandido e que todo rico tende a ser honesto.
A opção por cometer ou não um crime é do caráter da pessoa. continuar lendo

Desculpem minha ignorância, mas sinceramente, não sei qual o propósito do texto acima. Se trata de um resumo biográfico de alguém que saiu do mundo do crime e hoje tenta recuperar menores infratores, ou uma mensagem de cunho sentimental que tenta fomentar a compaixão pelo pequenos delinquentes com apelos emocionais? Apesar do cunho emotivo, entendo que abordagens sobre tal assunto devam ser norteadas pela racionalidade e respaldadas pelo estudo psicológico de cada infrator. Pode ser utópico, mas deveria ser assim. Infelizmente nós tendemos fundamentar nossas opiniões nas experiências pessoais, geralmente ignorando toda diversidade ou a adversidade de cenários que a vida brinda a cada um. No meu humilde entender, o autor se equivoca ao querer comparar sua marginalidade com a de outros menores. Cada caso é um caso. Nossa existência é absolutamente individual. Não quero afirmar que o autor não tenha seus méritos por conseguir se livrar da criminalidade, mas estabelecer paralelos dessa natureza é algo tão incoerente, quanto ilusório. Ora, muitas vezes, dentro de uma mesma família, digamos remediada, e partindo do pressuposto que todos tiveram acesso a mesma educação, não é raro ver algum filho descambar para a bandidagem, trazendo dor e sofrimento aos parentes; imagine então num universo de famílias desamparadas, oprimidas pela fome e pela miséria, numa situação de risco social onde os pequenos tem poucas perspectivas de melhorias na vida. Se considerarmos ainda que autor voltou a "Fundação Casa", "depois de 45 anos", é natural que ele tenha pelo ao menos 50 anos de vida, nessa época o mundo era digamos mais "romântico", o tráfico não campeava pelas favelas como hoje e sequer existia a maldição do "crack". Televisão era luxo e a publicidade era mais tacanha, não incitava o consumismo, a ostentação e a ambição desenfreada pelos produtos da moda, como ocorre agora. Épocas diferentes, vivências diferentes. Perdido em meu lirismo, espero que autor continue empenhado em sua missão, e que nossos governos cumpram sua responsabilidade social com os mais necessitados, mas lamentavelmente ainda não consegui esquecer o fato de ter um perdido um primo; foi assassinado por um desses "frágeis" menores. continuar lendo

IVANIL ...
Penso radicalmente; Cadeia não ressocializa, mas pelo menos ficamos livres deles por um tempo. Pena de morte...Morrerão inocentes!!! Mas com certeza a maioria condenada e executada será culpada e nos dará paz . continuar lendo

Fonte: Carta Capital. (PT)

Já é motivo suficiente para eu não ler nem um parágrafo.

Daqui a pouco surgirão argumentos contra a CPI da petrobrás da fonte Brasil 247. continuar lendo

Só podia ser do PT mesmo!
Por essa razão tem tantos votos. continuar lendo

Brilhante, corajoso, rápido e pratico. Corajoso porque hoje já não se sabe mais o que pode acontecer por falar mal dessa quadrilha. continuar lendo

Eu fiz a mesma coisa William, fui logo olhar a fonte, quando vi que era da Carta Capital, nem li. Perdeu minha credibilidade. Difícil é ver as pessoas opinando contrário, sem sequer conhecerem o projeto do Aécio quanto à redução da maioridade penal. Tenho certeza que não sabem em quais termos isso se dará. continuar lendo

carta capital analisa tudo do inicio ao fim , ao contrario do que vc le e so aanalisa de um ponto de vista, quer julgar melhor as fontes, ESTUDE MAIS legislacao e atualidades e com certteza vai parar de falar besteiras. Nao sou leitor da revista, ja li algumas entrevistas e todas sempre analisando dos 2 pontos de vista da historia ate o atual. Nao vi ate hj uma abordagem tendenciosa, mas apenas expondo os dois pontos de vista continuar lendo

Mark, me reservo o direito de não ler um site mentiroso como a carta capital. E se o amigo soubesse alguma coisa de leis, saberia que o site vez ou outra comete os delitos de injúria e difamação contra os opositores.

Então jovem, menos, bem menos... continuar lendo

Deveria dizer que a Veja é a sua favorita... continuar lendo

Tardelly Lima, qual seria o projeto de Aécio, de que forma ele faria isto? Até agora eu só vi promessas... continuar lendo